Relações profissionais em equipes de saúde: alternativas construcionistas relacionais (Professional relations in health teams: constructionist relational alternative)

Laura Vilela Souza, Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


O objetivo deste artigo é a oferta de recursos conceituais e teóricos construcionistas relacionais para pensar os relacionamentos entre profissionais de saúde em uma perspectiva que compreende a esfera relacional como locus de produção de realidades. Acredita-se que a oferta de um vocabulário alternativo para a compreensão das relações profissionais nesse âmbito possa disponibilizar repertórios interpretativos e discursos para a cocriação de novas realidades em saúde, que não atendam a uma única tradição, a um único modelo, ou que não favoreçam a adoção de práticas já cristalizadas. Para facilitar o engendramento dessa conversa, exemplos fictícios inspirados no cotidiano da prática profissional em saúde são trazidos como disparadores para a reflexão desses recursos como formas de pensar as relações entre profissionais. O uso do recurso da multivocalidade pode se dar tanto com o profissional colocando-se no diálogo a partir de diferentes vozes, como na abertura deste para a convivência com diferentes racionalidades e saberes em saúde, colocando-os em conversa uns com os outros. O entendimento das pessoas como embebidas em múltiplos relacionamentos dá margem para o uso dessa multiplicidade nas situações nas quais a visão que uma pessoa tem da outra se cristalizou de maneira negativa. Ao descolar-se dessas descrições estereotipadas e produzidas tanto pelo senso comum como pelo discurso científico de tradição mais individualista, propõe-se um convite para que a equipe seja olhada como portadora e corporificadora de diferentes eus, e de múltiplas vozes, o que não coloca os profissionais como únicos ou permanentes, mas como copartícipes do processo de performance do grupo e de sua recriação ao longo do tempo.

 

ABSTRACT - The aim of this paper is to offer relational constructionist conceptual and theoretical resources to think relationships among health professionals from a perspective that understands the relational sphere as the locus of realities production. It is believed that providing an alternative vocabulary for the understanding of professional relationships within this field can provide interpretative repertoires and discourses for the co-creation of new realities in health care that do not meet a single tradition, a single model, and do not favor the adoption of practices already crystallized. The following conceptual resources are presented with its articulation with a relational constructionist practice in health care: multivocality, reflexivity, discursive practices and relational responsibility. To facilitate the development of this conversation, fictitious examples inspired by the everyday practice of health professionals are presented as triggers for the reflection of these resources as ways of thinking about the relationships among professionals. The understanding of people as embedded in multiple relationships invites to the use of this multiplicity in situations where the person’s idea about the other has been crystallized in negative ways. When professionals move from these stereotypical descriptions produced both by common sense and from the more individualistic tradition of scientific discourse, they are invited to see their team as carrying and embodying different selves, and different voices. This does not imply considering the professionals as unique or permanents, but as co-responsible of the performantory process of the group and its re-creation along the time.

keywords: Health Personnel; Professional Practice; Social Constructionism


Palavras-chave


Profissional da Saúde; Prática Profissional; Construcionismo social

Texto completo:

PDF


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.