Os mecanismos de introdução e regulação na escolha da especialidade médica

Marcos Aurélio Maeyama, Marco Aurélio Da Ros

Resumo


Mesmo com a convergência para a Atenção Primária das políticas de educação e saúde, ainda existe um grande desinteresse dos médicos por esta área de trabalho. Com o objetivo de entender os mecanismos de introdução e regulação que envolvem a escolha da especialidade, foi realizada uma pesquisa de cunho qualitativo, com egressos de um curso de Medicina que tiveram grande aproximação com a Atenção Básica na graduação. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e utilizada a categoria Estilo de Pensamento para análise. Os resultados demonstram a hegemonia do Estilo de Pensamento Flexneriano, motivada especialmente pelos acoplamentos neoliberais. Porém, a experiência com a Atenção Básica propiciou um pequeno movimento de contra-hegemonia com o aparecimento do Estilo de Pensamento da Atenção Básica e o surgimento de um matiz do Estilo de Pensamento Flexneriano com visão ampliada dos problemas, demonstrando a importância da orientação para a Atenção Básica na formação. A pesquisa conclui ainda a necessidade de desmercantilização do setor para a consolidação do SUS enquanto política pública ampla

Palavras-chave


Educação Médica; Atenção Básica à Saúde; Sistema Único de Saúde; Residência Médica.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior, 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Resolução CNE/CES Nº 4, de 7/11/2001. Brasília: Ministério da Educação, 2001.

Brasil. Nota Técnica: Programa Mais Médicos. Elaboração: Conselho Nacional de Secretários de Saúde, 2013.

Carvalho MS, Souza MF. Como o Brasil tem enfrentado o tema provimento de médicos? Interface. Comunicação, saúde, educação, Botucatu, 2013; 17(47): 913-926.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

UNIVALI. Projeto Pedagógico do curso de Medicina da UNIVALI. Centro de Ciências da Saúde. Itajaí, 2015.

Goldim JR. Manual de Iniciação à Pesquisa em Saúde. Porto Alegre: da Casa, 1997.

Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Fleck L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Tradução: Georg Otte e Marina Camilo de Oliveira. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

Schafer L, Schnelle T. Fundamentação da perspectiva sociológica de Ludwik Fleck na teoria da ciência. In: Fleck L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Tradução: Georg Otte e Marina Camilo de Oliveira. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

Campos CMS, Mishima SM. Necessidades de saúde pela voz da sociedade civil e do Estado. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2005; 21(4): 1260-1268.

Cutolo LRA. Estilo de Pensamento em educação médica: um estudo do currículo do curso de graduação em medicina da UFSC. 2001. 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

Brasil. Ministério da Educação. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília, 2007.

Lampert JB. Tendências de mudanças na formação médica no Brasil: tipologia das escolas médicas. São Paulo: Hucitec / Associação Brasileira de Educação Médica, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Pró-Saúde: Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde. Brasília, 2005.

Testa M. Pensar em Saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

Costa JRB, et al. A Transformação Curricular e a Escolha da Especialidade Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, 2014; 38(1): 47-58.

Fiore MLM, Yazigi L. Especialidades Médicas: Estudo Psicossocial. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, 2005; 18(2): 200-206.

Corsi PR, et al. Fatores que Influenciam o Aluno na Escolha da Especialidade Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, 2014; 38(2): 213-220.

Cruz JAS, et al. Fatores determinantes para a escolha da especialidade médica no Brasil. Rev Med, São Paulo, 2010; 89(1): 32-42.

Gérvas J, Fernández MP. Como construir uma atenção primária forte no Brasil: É possível transformar o círculo vicioso de má qualidade em um círculo virtuoso de boa qualidade, no trabalho clínico e comunitário na atenção primária no Brasil. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro, 2011.

Mello GA, et al. Médico de família: ser ou não ser? Dilemas envolvidos na escolha desta carreira. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, 2009; 33(3): 475-482.

Oliveira NA, Alves LA. Ensino Médico, SUS e Começo da Profissão. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro; 35(1): 26–36.

Conselho Federal de Medicina. Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Demografia médica no Brasil. Volume 2. Cenários e Indicadores de Distribuição. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Conselho Federal de Medicina, 2013.

Esping-Andersen G. As Três Economias Políticas do Welfare State. Revista Lua Nova, 1991; 24: 85-116




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.