Programa Mais Médicos: a percepção dos usuários e profissionais da equipe da Saúde da Família sobre a qualidade da assistência no extremo sul catarinense

Wanessa Zanotto, Janaina Medeiros de Souza, Ione Jayce Ceola Schneider

Resumo


O objetivo é investigar a percepção dos usuários e profissionais da Equipe de Saúde da Família a respeito da qualidade da Atenção Primária a partir da inclusão, na equipe, de um profissional do Programa Mais Médicos. Participaram usuários e profissionais de uma Equipe de Saúde da Família por meio da utilização de um instrumento e de uma entrevista semiestruturada. Estes foram analisados de forma qualitativa, por meio da análise temática, e quantitativa, por meio de frequência absoluta. Na percepção dos usuários o atendimento prestado pelo profissional do Programa foi mais humanizado e integral. Na percepção dos profissionais da Equipe de saúde não houve diferenças em relação à dinâmica da equipe, em especial pela demanda de trabalho. Conclui-se que o Programa se mostrou positivo na percepção dos usuários, porém não alterou a dinâmica organizacional. 


Palavras-chave


Atenção à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Atenção Básica.

Texto completo:

PDF

Referências


-Brasil. Ministério da Saúde. Pacto nacional pela saúde. 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pacto_nacional_saude_mais_medic os.pdf. Acesso em 26.03.2016.

-Brasil. Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1.369, de 8 de julho de 2013. Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 9 jul. 2013. Seção 1, p.4952. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/arquivos/pdf/2013/Jul/16/Portaria_Interminis terial_1369_2013Mais_Medicos.pdf. Acesso em 10.03.2016.

-Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

- Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos. Disponível em: http://maismedicos.gov.br/. Acesso em 12.03.2016.

- Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos - Sistema De Gerenciamento de Programas. Disponível em: http://maismedicos.saude.gov.br/new/web/app.php/maismedicos/rms. Acesso em 20.03.2016.

- Azevedo SP, Andrade AC, Ribeiro FW, Salles PRC, Santos STC, Damasceno AG. Projeto Mais Médicos para o Brasil: Percepção da Comunidade. Disponível em: http://www.convencionsalud2015.sld.cu/index.php/convencionsalud/2015/sched Conf/presentations. Acesso em 20.03.2016.

- Lima T, Arcieri R, Garbin C, Moimaz S, Saliba O. Humanização na atenção básica de saúde na percepção de idosos. Saúde Soc 2014; 23(1):265-276.

- Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Secretários de Saúde e Ministério da Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS. Brasília: CONASS; 2007.

- Da Ros MA. A ideologia nos cursos de medicina. In: Martins JJN, Rego S, Lampert JB, Araújo JGC(Orgs). Educação médica em transformação: instrumentos para a construção de novas realidades. São Paulo: Hucitec; 2004. p. 224-44.

- Minayo M.C S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco; 2014.

- Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas; 2008.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em 29.03.2016.

- Paz EPA, et al. Adaptação transcultural do questionário de satisfação com os cuidados primários de saúde. Acta Paul Enferm 2014; 27(5):419-26

- Bergmann L. A pesquisa de satisfação dos usuários da estratégia de Saúde da Família: uma análise do seu potencial pedagógico na formação dos profissionais para atuação na Atenção Primária. Coleciona SUS. Porto Alegre; s.n; 2014.

- Brito LMD. (Monografia). Programa Mais Médicos: satisfação dos usuários das Unidades Básicas de Saúde de Ceilândia/DF quanto ao atendimento médico. Curso de Graduação em Saúde Coletiva da Faculdade de Ceilândia-FCE. 2014.

- Santos IMV, Santos AM. Acolhimento no Programa Saúde da Família: revisão das abordagens em periódicos brasileiros. Rev. salud pública 2011; 13(4): 703-16.

- Junges RJ, et al. O Discurso dos Profissionais Sobre a Demanda e a Humanização. Saúde Soc 2012; 21(3):686-97.

- Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2012; 17(8):2071-85.

- Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica - Acolhimento à Demanda Espontânea. Volume 1. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

- Falk MLR, et al. Acolhimento como dispositivo de Humanização: percepção do Usuário e do trabalhador em saúde. Rev APS 2010; 13(1): 4-9.

- Gomes L, Vianna C. Interação do profissional de saúde com o paciente idoso. J. bras. med 2008; 95(5/6): 36-9.

- Fernandes HN, et al. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. J. res.: fundam. Care (online) 2015; 7(1):1915-26

- Navarro ASDS, Guimarães RLDS, Garanhani ML. Teamwork and its meaning to professionals working in the family health strategy program. Rev Min Enferm 2013; 17(1): 69-75

- Amaral IBDST. Promovendo um espaço para informação sobre a Estratégia Saúde da Família: um relato de experiência. Saúde Debate | Rio de Janeiro, v. 40, n. 107, P. 1173-181

- Prado EVD, Sales C, Nomiyama S. Eu vivi, ninguém me contou: Educação Popular em estratégia Saúde da Família na beira do Pantanal, Mato Grosso do Sul, Brasil. Interface (Botucatu) 2014; 18 (Supl 2):1441-52.

- Leite DF, Nascimento DDGD, Oliveira MADC. Qualidade de vida no trabalho de profissionais do NASF no município de São Paulo. Physis 2014; 24(2): 507-25.

- Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Artigo 200, inciso III.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Série B. Textos Básicos de Saúde Série Pactos pela Saúde 2006. Brasília: DF; 2009.

- Alves MDR, et al. Educação permanente para os agentes comunitários de saúde em um município do norte de Minas Gerais. RPCFO 2014; 6(3):882-8

- Paulino VCP, et al. Ações de educação permanente no contexto da Estratégia Saúde da Família. Rev. enferm. UERJ 2012; 20(3):312-6.

- Blasco PG. A Arte Médica (II): a relação com o paciente. RBM Oncologia 2014; 71 (esp): 13-21.

- Mendel D. Proper Doctoring: A Book for Patients and their Doctors. Nova York. New York Review Book. https://www.amazon.com/Proper-Doctoring-Patients-Doctors-Paperback/dp/1590176219 Acesso em 03.04.2017.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.