Desempenho de indicadores básicos em saúde após a implantação dos Projetos Mais Médicos em um município catarinense

Paulo Nader, Luciane Peter Grillo, Leo Lynce Valle de Lacerda, Tatiana Mezadri

Resumo


O Programa Mais Médicos, no qual está inserido o Projeto Mais Médicos é uma política pública que visa ampliar e melhorar a estrutura da atenção básica. O objetivo do estudo foi identificar o impacto do Projeto Mais Médicos nos indicadores da atenção básica em um município catarinense e comparar com os dados nacionais e estaduais. Utilizou-se o Sistema de Informação Ambulatorial, o e-SUS Atenção Básica, o Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde e o Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, tendo como referência os anos de 2012 e 2015. As variáveis selecionadas foram consultas médicas em atenção básica, consultas de pré-natal, consultas (agendadas, de cuidado continuado, de urgência e espontâneas), cobertura populacional estimada pelas equipes de atenção básica, proporção de internações por condições sensíveis à atenção básica, razão de internações clínico-cirúrgicas de média complexidade, razão de exames citopatológicos do colo do útero, proporção de nascidos vivos e de parto normal. O estudo identificou que a partir da implementação do Projeto Mais Médicos houve um aumento significativo nas consultas de cuidado continuado e espontâneas, uma diminuição na proporção de consultas médicas em atenção básica e estabilidade nas de pré-natal. Em relação às consultas, quando comparadas com os estratos Florianópolis, SC e Brasil o município de Camboriú apresentou situação intermediária, porém em relação aos outros indicadores avaliados apresentou resultados positivos relevantes, como a queda na proporção de internações por condições sensíveis, de internações clínico-cirúrgicas de média complexidade e aumento na razão de exames citopatológicos do colo do útero, na proporção de nascidos vivos e de parto normal. É cedo para medir com exatidão os impactos trazidos pelos médicos alocados na cidade, mas a melhoria nos indicadores já é perceptível e estes resultados permitirão aprimorar o planejamento das ações em saúde neste município.

Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Indicadores Básicos de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde 2012.

Brasil. Lei n. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais

Médicos [...] e dá outras providências. Brasília, DF.1(465); 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Rede Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações/Rede Interagencial de Informação para a Saúde - Ripsa. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2008.

IBGE. Estimativas de população 2012. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=_EN&codmun=420320&search=santa-catarina|camboriu.Acesso em: 23.02.2017.

Lima RTS, et al. A Atenção Básica no Brasil e o Programa Mais Médicos - uma análise de indicadores de produção. Rev Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2685-96.

Alencar APA, et al. Impacto Do Programa Mais Médicos Na Atenção Básica De Um Município Do Sertão Central Nordestino. Rev Eletrônica Gestão &Soc 2016; 10(26): 1290-1301.

Cunha, E.M.; Giovanella, L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Rev. Ciência & Saúde Coletiva 2011; 16(Supl. 1): 1029-42.

Silva VAA, et al. Desempenho dos médicos na saúde da família - uma análise a partir dos princípios ordenadores em um município brasileiro. Rev. Adm. Pública 2015; 49(5): 1237- 62.

Alfradique ME, et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP-Brasil). Cad Saúde Publica. 2009; 25(6): 1337-49.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2013-2015/Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Brasília: Ministério da Saúde 2013 il. (Série Articulação Interfederativa, v.1).

Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) Falando sobre câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: MS/INCA; 2002.

Ministério da Saúde - IDSUS. Proporção de parto normal de residentes. http://idsus.saude.gov.br/ficha22s.html. Acesso em: 23.02.2017.

Andrade ACV, et al. Planejamento das ações educativas pela equipe multiprofissional da Estratégia Saúde da Família.O Mundo da Saúde. 2013; 37(4): 439-49.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.