Discurso do Sujeito Coletivo sobre o provimento do Programa Mais Médicos: uma visão de gestores da macrorregião Nordeste de Santa Catarina

Marcos Aurelio Maeyama, Clarice Aparecida Munaro, Luiz Gustavo Teixeira Pinto, Leonardo Augusto Esteves Lopes de Oliveira

Resumo


Desde o seu início em 1994, a Atenção Básica no Brasil apresentou importantes conquistas com expansão considerável de cobertura e resultados expressivos de melhoria nos indicadores sanitários. Nos últimos anos, a carência de médicos para compor as equipes tem impedido seu crescimento, num cenário de ausência e alta rotatividade profissional. Neste sentido, em 2013, o Projeto Mais Médicos foi criado para realizar provimento emergencial para a Atenção Básica em municípios com dificuldade de contratação, com a participação de médicos brasileiros, e médicos intercambistas e cooperados estrangeiros. Santa Catarina apresentou vários municípios elegíveis e tem participado do Projeto desde o seu início. O objetivo do estudo foi identificar a percepção do impacto da chegada do Projeto aos municípios, na visão dos secretários municipais de saúde da macrorregião Nordeste do Estado. A coleta de dados foi realizada por meio de grupo focal e para a análise de dados utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. A partir das falas dos participantes, foram construídas oito Ideias-Centrais com os respectivos Discursos-Síntese: A adesão ao Projeto Mais Médicos foi pela necessidade de provimento emergencial ou para expansão das equipes; Houveram movimentos de resistência à implantação do Projeto Mais Médicos; Os médicos do Programa cumprem efetivamente a carga horária semanal determinada; O perfil profissional do médico do Projeto Mais Médicos é voltado para APS; O problema do perfil do Médico brasileiro está na formação; Existem dificuldades de gestão e organização do Projeto; A manutenção dos avanços conquistados na Atenção Básica depende diretamente da continuidade do Projeto Mais Médicos. O Discurso do Sujeito Coletivo dos gestores aponta para uma avaliação bastante positiva do Projeto, com desejo de continuidade e expansão, compreendendo-o como possibilidade de qualificação da Atenção Básica e melhoria do processo de atenção à população

Palavras-chave


: Atenção Primária em Saúde; Atenção Básica; Programa Mais Médi¬cos; Re¬cursos humanos

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Brasil. Nota Técnica: Programa Mais Médicos. Elaboração: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2013.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec; 2008.

Flick U. Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa. Tradução de Sandra Regina Netz. 2. ed. Porto Alegre: Bookman; 2004.

Lefèvre F, Lefèvre AMC, Teixeira JJV. O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Educs; 2000.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo. Um novo enfoque em pesquisa qualitativa (Desdobramentos). Caxias do Sul, RS: Educs; 2003.

Comes Y, et al. Avaliação da satisfação dos usuários e da responsividade dos serviços em municípios inscritos no Programa Mais Médicos. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2749-2759.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Gérvas J, Fernández MP. Como construir uma atenção primária forte no Brasil: É possível transformar o círculo vicioso de má qualidade em um círculo virtuoso de boa qualidade, no trabalho clínico e comunitário na atenção primária no Brasil. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Rio de Janeiro, 2011.

Molina J, Tasca R, Suárez J. Monitoramento e avaliação do Projeto de Cooperação da OPAS/OMS com o Programa Mais Médicos: reflexões a meio caminho. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2925-2933.

Carvalho VKS, Marques CP, Silva EN. A contribuição do Programa Mais Médicos: análise a partir das recomendações da OMS para provimento de médicos. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2773-2784.

Scheffer M, Biancarelli A, Cassenote A. Demografia Médica no Brasil 2015. São Paulo: DMPUSP, Cremesp, CFM; 2015.

Silva Jr AG, Andrade HS. Formação Médica no Programa Mais Médicos: alguns riscos. Ciênc saúde coletiva 2016; 21 (9): 2670-2671.

Campos GWS, Pereira Júnior N. A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2655-2663.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Exame do Cresmesp 2015. São Paulo; 2015. Disponível em: https://www.cremesp.org.br/pdfs/resultado_Exame_do_Cremesp_2015.pdf Acesso em: 08/03/2017.

Miranda GMD, et al. A ampliação das equipes de saúde da família e o Programa Mais Médicos nos municípios brasileiros. Trab educ saúde 2017; 15(1): 131-145.

Comes Y, et al. A implementação do Programa Mais Médicos e a integralidade nas práticas da Estratégia Saúde da Família. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2729-2738.

Silva TRB, et al. Percepção de usuários sobre o Programa Mais Médicos no município de Mossoró, Brasil. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2861-2869.

Testa M. Pensar em Saúde. Porto Alegre: Artes Médicas; 1992.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior, 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Resolução CNE/CES Nº 4, de 7/11/2001. Brasília: Ministério da Educação; 2001.

Paim J. Se depender dos governos o SUS não avança. Revista Muito 2013; 28: 9-13.

Trindade TG, Batista SR. Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca! Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2667-2669.

Girardi SN, et al. Impacto do Programa Mais Médicos na redução da escassez de médicos em Atenção Primária à Saúde. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2675-2684




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.