Impacto do Programa Mais Médicos em indicadores da atenção básica no Estado de Santa Catarina

Leo Lynce Valle de Lacerda, Daiane dos Santos, Luciane Peter Grillo, Tatiana Mezadri

Resumo


O Programa Mais Médicos foi criado em 2013 como provimento de emergência à escassez de médicos dedicados à atenção básica no Brasil. Em Santa Catarina o Programa inseriu médicos em quase 200 dos seus 295 municípios e desde então surgiu o interesse em avaliar mudanças nos serviços da atenção básica derivados deste Programa e seu impacto nos indicadores de saúde monitorados pelo governo federal. O objetivo deste trabalho foi avaliar modificações de quatro indicadores básicos de saúde, investigando as diferenças entre os municípios que receberam o PMM com aqueles que não receberam. Para tanto foram empregados testes-t não pareados de Student para comparar as médias dos valores dos indicadores para o período anterior (entre 2008 a 2013) e posterior do Programa (2014 e 2015). Os resultados apontaram para diferenças significativas nos indicadores de cobertura das equipes de atenção básica dos municípios que receberam o PMM, e na proporção de internações por condições sensíveis à atenção básica, com queda na proporção do grupo que recebeu o PMM entre os anos de 2013 e 2015.

Palavras-chave


Avaliação de programas e projetos de saúde; Atenção à saúde; Indicadores básicos de Saúde; Saúde Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos, 2015. http://maismedicos.gov.br/ Acesso em 24.10.2016.

Lima, RTS, et al. A Atenção Básica no Brasil e o Programa Mais Médicos: uma análise de indicadores de produção. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2685-96.

Cerqueira, JPC, Alves, SMC. A Constitucionalidade do Programa Mais Médicos para o Brasil. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário 2016; 5(2): 91-107.

Santos MAM, et al. Avaliação da qualidade da estratégia saúde da família e do programa mais médicos na área rural de Porto Velho, Rondônia. Gestão e Sociedade 2016; 10:1327-46.

Carryl JAM, et al. Programa mais médicos. Revista Diálogos Interdisciplinares 2016; 5(2): 1-8.

Alencar APA, et al. Impacto do programa mais médicos na atenção básica de um município do sertão central nordestino. Gestão e Sociedade 2016; 10: 1290-301.

Carrer A, et al. Efetividade da estratégia saúde da familia em unidades com e sem o programa mais médicos em município do oeste do Paraná, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2849-60.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência médica de média e alta complexidade no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília, CONASS, 2007, 248p.

Elias, E, Magajewski,F. A atenção primária a saúde no sul de Santa Catarina: uma análise das internações por condições sensíveis a atenção ambulatorial, no período de 1999 a 2004. Ver Bras Epidemiolo 2008; 11(4): 633-47.

Scheffer M. Para além do programa mais médicos. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2664-6.

Rehem, TCMSB, et al. Internações por condições sensíveis a atenção primária: percepção dos usuários e profissionais de saúde. Investigação Qualitativa em Saúde 2016; 2: 1039-48.

Pereira, BS, Tomasi E. Instrumento de apoio a gestão regional de saúde para monitoramento de indicadores de saúde. Epidemiol Serv Saúde 2016; 25(2): 411-18.

Facchini, LA, et al. Avaliação de efetividade da Atenção Básica à Saúde em municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil: contribuições metodológicas. Cad. Saúde Pública 2008; 24(Supl 1):S159-S72

StatSoft, Inc. (2011). STATISTICA (data analysis software system), version 10. www.statsoft.com.

Brasil. Diário Catarinense. 2014. http://jornaldesantacatarina.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2014/07/numero-de-consultas-medicas-sobe-38-8-em-santa-catarina-10-meses-apos-inicio-do-programa-mais-medicos-4540560.html. Acesso em 02.12.2016.

Kemper ES, Mendonça AVM, Sousa MF. Programa Mais Médicos: panorama da produção científica. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9):2785-96.

Florentino Júnior AL. (Monografia). Mais Médicos e Mais Cobertura? Efeitos iniciais do Programa Mais Médicos na cobertura da Atenção Básica no Brasil. Universidade de Brasília/UnB, Brasília. 2014.

Rojas VC. (Dissertação). Impactos na Atenção Básica no município de Pelotas-RS com a implantação do Programa Mais Médicos. Escola de Administração, Porto Alegre. 2015.

Sábado NG, et al. Impacto do Programa Mais Médicos na redução da escassez de médicos em Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2675-84, 2016

Silva BP, et al. Ampliação do acesso à saúde na região mais vulnerável do estado de São Paulo, Brasil: reflexo do Programa Mais Médicos? Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9):2899-906.

Miranda AS, Melo DA. Análise comparativa sobre a implantação do Programa Mais Médicos em agregados de municípios do Rio Grande do Sul. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2837-48.

Vinicius PB, Juvenal SDC. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Florianópolis, Santa Catarina – estudo ecológico de 2001 a 2011. Epidemiol. Serv. Saúde 2016; 25(1):75-84.

Pires, MRGM, et al. Oferta e demanda por média complexidade/SUS: relação com atenção básica. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15 (Supl. 1):1009-19.

Gastão Wagner de Sousa Campos. Nilton Pereira Júnior A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9):2655-63.

Lima CRA, Schramm JMA, Coeli CM, Silva MEM. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Cad Saúde Pública 2009; 25(9):2095-109.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.