Impacto Social do Programa Mais Médicos no Vale do Rio Itajaí: de palavras tensas a palavras discriminatórias

Carlos Eduardo Máximo, Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima

Resumo


Este texto constitui parte do corpo de trabalhos de análise decorrentes da pesquisa sobre o impacto social do Programa Mais Médicos em Santa Catarina. Para este recorte foram tomados como alvo de estudo as informações produzidas em dois grupos focais realizados nas Regiões de Saúde do Alto e Médio Vale do Itajaí, com gestores municipais de saúde. O material transcrito, a partir das gravações dos grupos focais, foi refletido a partir do sentido de suas palavras tomadas como artefatos culturais historicamente situados. As categorias de análise construídas a posteriori resultaram em dois domínios: Palavras tensas: limites na apropriação do Programa; Palavras discriminatórias: negação e resistência no trabalho em saúde. As reflexões apontam para a necessidade de uma retomada estratégica do Programa Mais Médicos sob a forma de diálogos entre os entes federados da gestão do SUS; investimento em educação de gestores; desenvolvimento de relações de tolerância étnica, cultural e política no trabalho em saúde, e de prospecção de novas relações de trabalho que rompam com a condição de opressão e alienação do trabalhador em saúde, brasileiro ou estrangeiro, para a construção de uma sociedade baseada na garantia de direitos sociais.


Palavras-chave


Saúde coletiva; Atenção Primária; Sistema Único de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.

Vygotsky LS. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes; 1991.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1987.

Prates LA et al. A utilização da técnica de grupo focal: um estudo com mulheres quilombolas 2015; Cad. Saúde Pública, 31(12):2483-92.

Brasil. Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina. Comissão Intergestores Regional. http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&Itemid=75 Acesso em 22.04.2017.

Brasil. Lei nº. 12871, de 22 de outubro de 2013. Instituí o Programa Mais Médicos [...] e dá outras providências. Brasília, DF.1(465); 2013.

Brasil. Edital nº 39, de 08 de julho de 2013. Adesão de Médicos para o Projeto Mais Médicos para o Brasil. Brasília, DF. 3(130); 2013.

Brasil. Edital nº 49, de 19 de agosto de 2013. Adesão de médicos para o Projeto Mais Médicos para o Brasil.Brasília, DF. 3(159); 2013.

Brasil. Edital nº 4, de 16 de janeiro de 2014. Adesão de Médicos ao Projeto Mais Médicos para o Brasil. 3(187); 2014.

Lotta GS, Galvão MCCP, Favareto AS. Análise do Programa Mais Médicos à luz dos arranjos institucionais: intersetorialidade, relações federativas, participação social e territorialidade. Ciências Saúde Coletiva 2016; 21(9): 2761-72.

Lorenzetti J et al. Gestão em saúde no Brasil: diálogo com gestores públicos e privados. Texto Contexto Enferm 2014; 23(2):417-25.

Santos, LAC. Poder, Ideologias e Saúde no Brasil da Primeira República: ensaio de sociologia histórica. In: Hochman, G. Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2004. p. 249-94.

Brasil. Relatório Final da VIII Conferência Nacional de Saúde. https://infocomsaude.wordpress.com/2011/08/11/relatorio-final-da-8%C2%AA-conferencia-nacional-de-saude/ Acesso em 22.04.2017.

Coutinho CN. O Conceito Gramsciano de “vontade coletiva”. In: Semeraro G, et al. (org.). Gramsci e os movimentos populares: Rio de Janeiro: Editora UFF; 2011. p. 45-52.

Elias N, Scotson JL. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2000.

Guareschi, P. Psicologia Social Crítica: como prática de libertação. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2004.

Thompson JB. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes; 1995.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: HUCITEC; 2002.

Melo EA. O que pode o Mais Médicos? Ciênc. saúde coletiva 2016; 21(9):2672-74.

Paim JS. (Tese). Reforma sanitária brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, UFBA, Salvador, 2008.

Paim JS, Teixeira CF. Configuração institucional e gestão do Sistema Único de Saúde: problemas e desafios. Ciências Saúde Coletiva 2007; 12(Suppl): 1819-29.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.