Impacto do Programa Mais Médicos nos indicadores do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade (PMAQ) em municípios catarinenses

Tatiana Mezadri, Mariele Salvi, Leo Lynce Valle de Lacerda, Luciane Peter Grillo

Resumo


O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade (PMAQ) implantado em 2011 e o Programa Mais Médicos (PMM) em 2013 são iniciativas do governo federal para valorização e priorização da Atenção Básica à Saúde, o primeiro foi criado para ampliar o acesso e a melhoria da qualidade da Atenção Básica, e o segundo para o provimento de médicos. Diante da possibilidade de avaliar o desempenho das equipes de Atenção Básica por meio de seus indicadores, o objetivo deste estudo foi verificar se a presença do PMM contribuiu para a melhoria nos indicadores do PMAQ em 53 municípios catarinenses que aderiram ao Programa nos dois ciclos completos (2014 e 2015), comparando com os que não aderiram. Foi calculado um Índice de Desempenho (ID) para cada uma das variáveis analisadas considerando o número de equipes avaliadas e o peso atribuído conforme o seu desempenho (muito acima da média; acima da média; mediano ou abaixo da média). As comparações das médias do ID entre o grupo de municípios que recebeu o MM e daqueles que não receberam o Programa foram realizadas por meio do teste t não pareado ao nível de significância de 5%. Dos 24 indicadores do PMAQ analisados nos municípios catarinenses que fizeram parte desta pesquisa, 15 apresentaram melhorias significativas após a implantação do PMM quando comparados aos que não aderiram, e destes, quatro obtiveram diferença significativa: Organização da Agenda da Equipe de Atenção Básica (p=0,0357), Planejamento das Ações da Equipe de Atenção Básica (p=0,0090), Promoção da Saúde (p=0,0147) e Satisfação e Participação do Usuário (p=0,0043). Conclui-se que a inserção de médicos nas equipes de saúde dos municípios que aderiram ao PMM representou um impacto positivo na avaliação global dos indicadores do PMAQ, tal fato atinge especialmente as comunidades mais carentes podendo representar um avanço na saúde do estado.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Avaliação em Saúde; Indicadores de Qualidade em Assistência à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Portaria n. 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Brasília, DF. 2011.

Júnior HMM, Pinto HA. Atenção Básica enquanto ordenadora da rede coordenadora do cuidado: ainda uma utopia? Divulg saúde debate 2014; (51): 14-29.

Pinto HA, Sousa ANA, Ferla AA. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: várias faces de uma política inovadora. Divulg saúde debate 2014; (51): 43-57.

Brasil. Departamento de Atenção Básica. Portal da Saúde – PMAQ. 2016. http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pmaq.php Acesso em 28.10.2016.

Pinto HA, Sousa A, Florêncio AR. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: Reflexões sobre o seu desenho e processo de implantação. RECIIS – R Eletr de Com Inf Inov Saúde 2012; 6(2).

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Nota Metodológica da Certificação das Equipes de Atenção Básica Participantes do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica 2013-2014. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Collar JM, Neto JBA, Ferla AA. Formulação e impacto do Programa Mais Médicos na atenção e cuidado em saúde: contribuições iniciais e análise comparativa. Saúde em Redes 2015; 1(2): 43-56.

Oliveira FP, et al. Mais Médicos: um programa brasileiro em uma perspectiva internacional. Interface (Botucatu) 2015; 19(54): 623-34.

Brasil. Lei nº. 12871, de 22 de outubro de 2013. Instituí o Programa Mais Médicos [...] e dá outras providências. Brasília, DF.1(465); 2013.

Giovanella L, et al. A provisão emergencial de médicos pelo Programa Mais Médicos e a qualidade da estrutura das unidades básicas de saúde. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2697-708.

Brasil. Portal da Saúde – Mais Médicos. 2013. http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/acoes-e-programas/mais-medicos/mais-sobre-mais-medicos/5953-como-funciona-o-programa Acesso em 29.10.2016.

Brasil. Portal da Saúde – Mais Médicos. 2014. http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/acoes-e-programas/mais-medicos/mais-sobre-mais-medicos?start=70 Acesso em 29.10.2016.

Campos GWS. Mais médicos e a construção de uma política de pessoal para a Atenção Básica no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu) 2015; 19(54): 641-2.

Lima RCGS, et al. Tutoria acadêmica do Programa Mais Médicos para o Brasil em Santa Catarina: perspectiva ético-política. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2685-96.

Pinto HA, et al. O Programa Mais Médicos e o fortalecimento da Atenção Básica. Divulg saúde debate 2014; (51): 105-120.

Tribunal de Contas da União (TCU). Auditoria operacional: Programa Mais Médicos e Projeto Mais Médicos para o Brasil: avaliação da eficácia do programa. Brasília: TCU; 2014. TC nº 005.391/2014-8.

Vargas AFM, Campos MM, Vargas DS. O risco dos extremos: uma análise da implantação do Programa Mais Médicos em um contexto de volatilidade orçamentária. Rev GeS 2016; 10(26): 1313-26.

Brasil. Portaria nº. 2488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, [...]. Brasil, DF. 1(204); 2011.

Sarti TD, et al. Avaliação das ações de planejamento em saúde empreendidas por equipes de saúde da família. Cad saúde pública 2012; 28(3): 537-48.

Canto RBB. (Monografia). Planejamento das Equipes de Atenção Básica e Ações da Gestão para a Organização do Processo de Trabalho das Equipes: a contribuição do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) nos movimentos de mudança da gestão das equipes. Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização em Saúde Coletiva e Educação na Saúde, Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasília. 2014.

Teixeira MB, et al. Avaliação das práticas de promoção da saúde: um olhar das equipes participantes do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Saúde debate 2014; 38(esp.): 52-68.

Ribeiro AG, Cotta RMM, Ribeiro SMR. A promoção da saúde e a prevenção integrada dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Ciênc saúde coletiva 2012; 17(1): 7-17.

Gonçalves RF, et al. Programa Mais Médicos no Nordeste: avaliação das internações por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde. Ciênc saúde coletiva 2016; 21(9): 2815-24.

Conselho Nacional de Secretários da Saúde (CONASS). Municípios de pobreza extrema melhoram a resposta dos serviços de saúde com o Programa Mais Médicos, segundo pesquisa da Universidade de Brasília. 2015. http://www.conass.org.br/municipios-de-pobreza-extrema-melhoram-a-resposta-dos-servicos-de-saude-com-o-programa-mais-medicos-segundo-pesquisa-da-universidade-de-brasilia/ Acesso em 27.11.2016.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.