Oficina de Formação em Saúde Mental como Estratégia de Educação Permanente em Saúde

Analice Aparecida dos Santos, Marcelo Dalla Vecchia

Resumo


A Educação Permanente em Saúde (EPS) propõe que os envolvidos tenham um momento dedicado à reflexão sobre suas práticas de atenção à saúde como estratégia de formação continuada. Analisam-se os relatórios de uma Oficina de Formação em Saúde Mental desenvolvida junto de uma equipe de Saúde da Família. Com base na revisão de literatura estabeleceram-se categorias representativas das condições para que uma atividade formativa configure-se como EPS. Os relatórios foram analisados com base nestas categorias que, a seguir, foram incluídas nos seguintes eixos enquanto componentes básicos para a formação em saúde: ensino, práticas de atenção, gestão setorial e controle social. Observou-se que diversas práticas dessa Oficina se enquadraram na proposta da EPS, dentre elas, a importância de se levar em conta as experiências dos trabalhadores, consideradas como material fundamental para a discussão e levantamento de propostas e soluções para os problemas apresentados.


Abstract: The Continuing Health Education (EPS) proposes that those involved have a moment dedicated to think about their health care practices as continuing education strategy. It was analyzed the reports of a Training Workshop on Mental Health carried along a health care team of Family Health Strategy. Based on the literature review, representative categories of conditions for a training activity set up as EPS were established. The reports were analyzed based on these categories that, later, were classified as parts of health education’s basic components: educations, healthcare practices, sector management and social control. It was observed that several practices of this workshop fit in the EPS proposition, among them, the importance of taking in the experiences of healthcare workers, considered central for the discussion and raising proposals and solutions to the problems presented.

Keywords: Continuing Education; Family Health Strategy; Primary Health Care; Mental health.;


Palavras-chave


Educação Permanente em Saúde; Estratégia de Saúde da Família; Atenção Primária em Saúde; Saúde Mental; Reforma Psiquiátrica.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Barbosa GC, Meneguim S, Lima SAM, et al. Política Nacional de Humanização e formação dos profissionais de saúde: revisão integrativa. Revista Brasileira de Enfermagem, 2013; 66(1), 124-7.

Barbosa VBA, Ferreira MLSM, Barbosa PMK. Educação Permanente em Saúde: uma estratégia para a formação dos agentes comunitários de saúde. Rev. Gaúcha Enferm., 2012 33(1), 56-63.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde: SGTES: políticas e ações. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Carvalho BG, Turini B, Nunes EFPA, et al. Percepção dos médicos sobre o curso Facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 2011, 35(1), 132-141.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface, 2004, 9(1), 161-8.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 2005, 10(4), 975-986.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab. educ. saúde, 2009, 6(3), 443-8.

Ceccim RB, Feuerwerker LC. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, 2004, 14(1), 41-65.

Celeste T. Educação permanente: um novo olhar sobre a aprendizagem no trabalho. Revista Digital de Educação Permanente em Saúde, 2004, 1(1), 26-27.

Chiesa AM, Nascimento DDG, Braccialli LAD, et al. A formação de profissionais da saúde: aprendizagem significativa à luz da promoção da saúde. Cogitare Enfem., 2007, 12(2), 236-240.

Dalla Vecchia M. (Dissertação). A saúde mental no programa de saúde da família: Estudo sobre práticas e significações de uma equipe. Faculdade de Medicina/UNESP, Botucatu, 2006.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim. Cad. Saúde Pública, 1999, 15(2), 345-353.

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

Godoy AS. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Rev. adm. empres. 1995, 35(3), 57-63.

Lima JVC, Turini VC, Carvalho B, et al. A Educação Permanente em Saúde como estratégia de transformação das práticas: possibilidades e limites. Trab. Educ. Saúde, 2010, 8(2), 207-227.

Lucchese R, Oliveira AGB, Conciani ME, Marcon SR. Saúde Mental no Programa de Saúde da Família: caminhos e impasses de uma trajetória necessária. Cad. Saúde Pública. 2009, 25(9), 2033-42.

Medeiros AC, Pereira QLC, Siqueira HCH, et al. Gestão Participativa na educação permanente em saúde: olhar das enfermeiras. Revista Brasileira de Enfermagem, 2010, 63(1), 38-42.

Minayo MCS. O desafio da pesquisa social. In: Minayo MCS, Gomes SFD. (Org.), Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2011, p. 9-31.

Nespoli G, Ribeiro VMB. Discursos que forma saberes: uma análise das concepções teóricas e metodológicas que orientam o material educativo de formação de facilitadores de Educação Permanente em Saúde. Interface - Comunic., Saúde, Educ., 2011, 15(39), 985-996.

Nicoletto SCS, Bueno VLRC, Nunes EFPA, et al. Desafios na implantação, desenvolvimento e sustentabilidade da Política de Educação Permanente em Saúde no Paraná, Brasil. Saúde Soc., 2013, 22(4), 1094-1105.

Oliveira SRG, Wendhausen ALP. (Re)significando a educação em saúde: dificuldades e possibilidades da estratéga saúde da família. Trabalho, Educação & Saúde, 2014, 12(1), 129-147.

Pelizzari A, Kriegl ML, Baron MP, Finck NTL, Dorocinski SI. Teoria da Aprendizagem segundo Ausubel. Revista PEC, 2002, 2(1), 37-42.

Santos PT, Bertolozzi MR, Hino P. Necessidades de saúde na atenção primária: percepção de profissionais que atuam na Educação Permanente. Acta Paul Enferm, 2010, 23(6), 788-795.

Sá-Silva JR, Almeida CD, Guindani JF. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 2009, 1(1), 1-15.

Sato WNS, Cecílio LCO, Andreazza R. A Educação Permanente em Saúde como estratégia de formação de gestores municipais: o fórum de Educação Permanente em Saúde de Bragança Paulista. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 2009, 14(55), 43-62.

Silva JAM, Peduzzi M. Educação no trabalho na atenção primária à saúde: interfaces entre a educação permanente em saúde e o agir comunicativo. Saúde Soc., 2011, 20(4), 1018-32.

Silva LAA, Franco GP, Leite MT, et al. Concepções educativas que permeiam os planos regionais de Educação Permanente em Saúde. Texto Contexto Enferm. 2011, 2(20), 340-8.

Vecchia MD, Martins STF. Concepções dos cuidados em saúde mental por uma equipe de saúde da família, em perspectiva histórico-cultural. Ciênc. saúde coletiva, 2009, 14(1).




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.