O processo de cuidar de idosos restritos ao domicílio: percepções de cuidadores familiares

Roberta Rodrigues de Almeida, Camila Dellatorre Borges, Rosana Shuhama

Resumo


Com o envelhecimento da população brasileira, as doenças crônicas e o bem-estar dos idosos tornaram-se novos desafios de saúde pública. No Brasil, a maior parte dos idosos reside com a família e esta é considerada a principal responsável por prover cuidados a eles. Deste modo, o objetivo desse estudo foi identificar as percepções de cuidadores familiares sobre o processo de cuidar de idosos restritos ao domicílio. Participaram da pesquisa 30 usuários de uma Unidade de Saúde da Família, que desempenhavam o papel de cuidador familiar. Para a coleta dos dados adotou-se um roteiro de entrevista semiestruturado e a Escala de Sobrecarga de Zarit. Os dados qualitativos foram analisados por meio da Análise de Conteúdo Temática e realizou-se a contagem da frequência simples e relativa dos itens que compõem as categorias e que caracterizam a amostra. Identificou-se que os cuidadores realizavam atividades básicas essenciais para o bem-estar dos idosos e relataram facilidades e dificuldades nas atividades realizadas. A maior dificuldade pontuada foi o entendimento entre cuidador e idoso na rotina de cuidado, uma vez que o idoso se mostrou resistente a realizar certas atividades. A maior parte dos entrevistados relatou possuir recursos pessoais para lidar com as adversidades e utilizou principalmente estratégias de enfrentamento centradas na emoção. Foram identificadas alterações emocionais e físicas decorrentes do cuidado com o familiar doente e observou-se nas verbalizações que apesar do cuidado ser desgastante e gerar impacto na saúde do cuidador, os participantes encaram essa função com certa satisfação devido aos laços de afeto existentes e aos valores impostos pela cultura familiar. 

 

Abstract: With the aging of Brazilian population, chronic diseases and elderly's well-being have become new challenges to global public health. In Brazil, most of elderly people live with their family which is considered to be the mainly responsible for providing care for them. Therefore, the aim of this study was to identify the perceptions of family caregivers about the process of caring for the elderly restricted at home. The participants were 30 family caregivers of a Family Health Unit. To collect data we adopted a semi-structured interview guide and the Zarit Burden Scale. Qualitative data were analyzed using Thematic Content Analysis. Then, it was taken the count of simple and relative frequency of items that compose the categories and also of those that characterize the sample. The results indicated that caregivers perform essential basic activities to the elderly's welfare and they are able to recognize facilities and difficulties in the activities performed. The biggest difficulty detected was the understanding between the caregivers and the elderly in daily care routines, once elderly showed to be resistant to perform certain activities. Most respondents had personal resources to deal with adversity and most of them used coping strategies focused on emotion. Emotional and physical changes were identified in caregivers resulting from the care of the sick family member. Also, it was observed that despite the care be exhausting and have a negative impact on their health, the participants face this function with certain satisfaction because of the bonds of affection and the values imposed by the family culture.

Keywords: frail elderly, family caregivers, qualitative research.


Palavras-chave


idoso dependente; cuidadores familiares; pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF/A

Referências


Organização das Nações Unidas. Mundo terá 2 bilhões de idosos em 2050: OMS diz que envelhecer bem deve ser prioridade global. http://nacoesunidas.org/mundo-tera-2-bilhoes-de-idosos-em-2050-oms-diz-que-envelhecer-bem-deve-ser-prioridade-global/ Acesso em 09.02.2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro (RJ): Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2000.

Marques MJF, Teixeira HJC, Souza DCDBN. Cuidadoras informais de Portugal: vivências do cuidar de idosos. Trab Educ Saúde 2012; 10 (1): 147-59.

Floriano LA, et al. Cuidado realizado pelo cuidador familiar ao idoso dependente, em domicílio, no contexto da estratégia de Saúde da Família. Texto & contexto enferm 2012; 21(3): 543-48.

Pereira RA, et al. Sobrecarga dos cuidadores de idosos com acidente vascular cerebral. Rev Esc Enferm USP 2013;47(1): 185-92.

Fonseca NR, Penna AFG. Perfil do cuidador familiar do paciente com seqüela de acidente vascular encefálico. Ciênc Saúde Coletiva 2008;13(4):1175-80.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático do cuidador. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Gratao ACM, et al. Sobrecarga e desconforto emocional em cuidadores de idosos. Texto & contexto enferm 2012; 21(2): 304-12.

Luzardo AR, Gorini MIPC, Silva APSS. Características de idosos com doença de Alzheimer e seus cuidadores: uma série de casos em um serviço de neurogeriatria. Texto & contexto enferm 2006; 15(4):587-94.

Trelha, CS, et al. Caracterização de idosos restritos ao domicílio e seus cuidadores. Espaç Saúde 2006; 8 (1): 20-7.

Mesas, AE, Trelha CS, Azevedo MJ. Saúde bucal de idosos restritos ao domicílio: estudo descritivo de uma demanda interdisciplinar. Physis 2008; 18 (1): 61-75.

Fernandes MGM, Garcia TR. Atributos da tensão de cuidador familiar de idosos dependentes. Rev Esc Enferm USP 2009; 43(4) :818-24.

Manoel MF, et al. As relações familiares e o nível de sobrecarga do cuidador familiar. Esc. Anna Nery Rev de Enferm 2013; 17(2): 346-53.

Leitao GC, Almeida DT. O cuidador e sua qualidade de vida. Acta Paul Enferm 2000; 13(1): 80-5.

Lopes LO, Cachioni M. Intervenções psicoeducacionais para cuidadores de idosos com demência: uma revisão sistemática. J Bras Psiquiatr 2012; 61(4): 252-61.

Zarit SH, Zarit JM. The memory and behavior problems checklist-1987R and the burden interview (technical report). University Park (PA): Pennsylvania State University; 1987.

Scazufca M. Brazilian version of the Burden Interview scale for the assessment of burden of care in carers of people with mental illnesses. Rev Bras Psiquiatr 2002; 24(1):12-7.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Panhoca I, Pupo ACS. Cuidando de quem cuida: avaliando a qualidade de vida de cuidadores de afásicos. Rev CEFAC 2010; 12(2): 299-307.

Almeida TL. (Dissertação). Características dos cuidadores de idosos dependentes no contexto da Saúde da Família. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, Ribeirão Preto. 2005.

Lopes SRA, Massinelli CJ. Perfil e nível de resiliência dos cuidadores informais de idosos com Alzheimer. Aletheia 2013; (40): 134-45.

Coelho ER, et al. Perfil sociodemográfico e necessidades de educação em saúde entre cuidadores de idosos em uma unidade de saúde da família em Ilhéus, Bahia, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade 2013; 8(28):172-9.

Cartaxo HGO, et al. Vivência dos cuidadores familiares de idosos dependentes: revelando estratégias para o enfrentamento do cotidiano. Estud Interdiscipl Envelhec 2012; 17(1): 59-74.

Gratao ACM. (Tese). Sobrecarga vivenciada por cuidadores de idosos na comunidade. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP, Ribeirão Preto. 2010.

Simonetti JP, Ferreira JC. Estratégias de coping desenvolvidas por cuidadores de idosos portadores de doença crônica. Rev Esc Enferm USP 2008; 42(1):19-25.

Garrido R, Menezes PR. Impacto em cuidadores de idosos com demência atendidos em um serviço psicogeriátrico. Rev Saúde Públ 2004; 38(6): 835-41.

Rodrigues MR, Almeida RT. Papel do responsável pelos cuidados à saúde do paciente no domicílio – um estudo de caso. Acta Paul Enferm 2005; 18(1): 20-24.

Vilela ABA, et al. Perfil do famililar cuidador de idoso doente e/ou fragilizado do contexto sociocultural de Jequié-BA. Rev Bras Geriatr Gerontol 2006; 9(1): 55-69.

Mazza MMPR, Lefèvre F. Cuidar em família. Análise da Rep. Social da Relação do cuidador familiar com o idoso. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum 2005; 15(1):1-10.

Lacerda MR, Olinisky SR. Familiares interagindo com a Enfermeira no contexto domiciliar. Rev Gaúch Enferm 2005; 26(1) 76-87.

Wanderbroocke ACMS. Perfil do cuidador do paciente idoso com câncer. Rev Psico 2002; 33(2): 401-412.

Souza AS, et al. Fatores de risco de maus-tratos ao idoso na relação idoso/cuidador em convivência intrafamiliar. Textos Envelhecimento 2004; 7(2): 63-85.

Karsch, UM. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Cad saúde Pública 2003; 19(3): 861-66.

Fratezi FR, Gutierrez BAO. Cuidador familiar do idoso em cuidados paliativos: o processo de morrer no domicílio. Ciênc Saúde Coletiva 2011; 16(7): 3241-8

Caldeira APS, Ribeiro RCHM. O enfrentamento do cuidador do idoso com Alzheimer. Arquivo Ciência Saúde 2004; 11(2):2-6.

Pinto, FNFR, Barham, EJ. Habilidades sociais e estratégias de enfrentamento de estresse: relação com indicadores de bem-estar psicológico em cuidadores de idosos de alta dependência. Rev Bras Geriatr Gerontol 2014;17(3):525-39.

Lazarus RS, Folkman S. The concept of coping. In: Monart A, Lazarus RS (org.) Stress and coping: an anthology. 3rd ed. New York: Columbia University Press; 1991.

Cattani RB, Girardon-Perlini NMO. Cuidar do idoso doente no domicílio na voz de cuidadores familiares. Rev Eletr Enferm 2004; 6(2) 254-71.

Nascimento LC, et al. Cuidador de idosos: conhecimento disponível na base de dados LILACS. Rev bras enferm 2008; 61(4): 514-17.

Lavinsky AE; Vieira T.T. Processo de cuidar de idosos com acidente vascular encefálico: sentimentos dos familiares envolvidos. Acta Sci Health Sci 2004; 26(1): 41-5.

Boff L. Saber cuidar: ética do humano-compaixão pela terra. 4ª ed. Rio de janeiro: Vozes; 1999.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.