Saúde e segurança no ambiente laboral: Percepção dos trabalhadores na identificação dos riscos organizacionais do trabalho

Flavio Koiti Kanazawa, Yara Juliano, Jane de Eston Armond, Patrícia Colombo Souza, Neil Ferreira Novo, Claudia Dias Ollay

Resumo


Introdução: as doenças do trabalho como os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho, transtornos mentais, e acidentes do trabalho possuem fatores organizacionais do trabalho como uma das causas de grande relevância. Segundo conceito Promoção de Saúde, os integrantes de uma comunidade devem ter controle sobre a identificação de aspirações, satisfação das necessidades e modificação favorável do meio ambiente. Analise Ergonômica do Trabalho e o Estudo de Clima Organizacional, por se tratarem de trabalhos analíticos, custosos, demorados, e desenvolvidos por profissionais especialistas, conduzem a uma situação contrária ao conceito da Promoção da Saúde. Objetivos: avaliar percepção dos trabalhadores quanto à facilidade em identificar fatores organizacionais do trabalho relacionados à sua saúde e segurança no ambiente laboral. Método: pesquisa é de caráter observacional e transversal. A amostra foi constituída por 143 trabalhadores. Instrumento de pesquisa foi um questionário autoaplicável do tipo fechado e estruturado, variáveis: processo trabalho; homem; maquinários, equipamentos e materiais. Resultados: avaliando a relação entre o grupo de trabalhadores com tempo de trabalho na empresa <= 5 anos com o grupo > 5 anos no grau de facilidade na interpretação das questões e na escolha da resposta utilizando Teste de Mann-Whitney não se encontrou significância estatística em nenhuma das 3 dimensões; quando analisadas individualmente as 33 questões, utilizando Teste Quiquadrado e Teste Exato de Fisher novamente não se encontrou significância estatística. Conclusões: as questões foram interpretadas com facilidade pelos trabalhadores, que não encontraram dificuldades na escolha das respostas do instrumento de coleta de dados, quanto aos fatores organizacionais relacionados ao trabalho.

 

Abstract: Introduction: the work diseases as Osteomuscular Work-Related Disease, mental disorders, and the workplace accidents have the organizational work factors as one of the causes of great relevance. According concept to the Health Promotion, the members of a community must have control about the identification of aspirations, need satisfaction and positive change to the environment. The Work Ergonomic Assessment and the Study of Organizational Climate for being analytical, costly, time-consuming work and developed by specialists, leading to a situation contrary the concept of the Health Promotion. Objectives: to evaluate perception of workers for ease in identifying the organizational work factors related to their health and safety in the workplace. Method: the research is an observational and cross-sectional. The sample was composed by 143 workers. The research instrument was a self-applicable, closed and structured questionnaire, the variables: work process; man; machinery, equipment and materials. Results: evaluating the relationship between workers at the company <= 5 years with> 5 years in the degree of facility in the interpretation of questions and response choice using the Mann-Whitney test no statistical significance in any of the 3 dimensions; when analyzed individually the 33 questions, using the Chi-Square Test and the Fisher's Exact Test again no statistical significance. Conclusions: the questions were interpreted easily by the workers and they didn´t find difficulties in the choice of instrument for data collection as responses to organizational factors related to work.

Keywords: Occupational Diseases; Cumulative Trauma Disorders; Professional Burnout; Occupational Accidents; Organizational Models.;


Palavras-chave


Doenças do Trabalho; Transtornos Traumáticos Cumulativos; Esgotamento Profissional; Acidentes de Trabalho; Modelos Organizacionais.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Borges LH. Sociabilidade, sofrimento psíquico e lesões por esforços repetitivos entre caixas bancários. São Paulo: Fundacentro; 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. LER/DORT: dilemas, polêmicas e dúvidas. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n. 103).

Brasil. Ministério da Saúde. Representação no Brasil OPAS/OMS. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, n. 114).

Rossi AM, Perrewé PL, Sauter SL (Org.). Stress e qualidade de vida no trabalho: perspectivas atuais da saúde ocupacional. São Paulo: Atlas, 2007.

Webster T, Berman B. Occupation stress: counts and rates. Compens work cond fall 1999; 38-41.

Rossi AM. Homens x mulheres: o preço do stress. In: IV Congresso de Stress da Isma-Br e VI Fórum Internacional de Qualidade de Vida no Trabalho; 2004, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: ISMA; 2004.

USA. US Bureau of Labor Statistic and US Department of Labor. Census of fatal work injuries, 1992–2012*. USA; 2013.

USA. US Bureau of Labor Statistic and US Department of Labor. Census of fatal work injuries, 1994. USA; 1994.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Ministério da Previdência Social. Anuário estatístico de acidentes do trabalho: AEAT 2012. Brasília: MTE/MPS; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria de Inspeção do Trabalho. Norma regulamentadora nº 17 - Ergonomia. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego; 2007.

Slack N, Chambers S, Johnston, R. Administração da produção. Tradução de Henrique Luiz Corrêa. 22ª ed. São Paulo: Atlas; 2011.

Chiavenato I. Gerenciando pessoas: o passo decisivo para a administração participativa. 3ª ed. São Paulo: Makron Books; 1997.

Salerno MS. Projeto de organizações integradas e flexíveis: processos, grupos e gestão democrática via espaços de comunicação-negociação. São Paulo: Atlas; 1999.

Couto HA, Nicoletti SJ, Lech O. Gerenciando a LER e os DORT nos tempos atuais. Belo Horizonte: ERGO; 2007.

Rocha LE, Ferreira Junior M. distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. In: Ferreira Junior M (Coord.). Saúde no trabalho: temas básicos para o profissional que cuida da saúde dos trabalhadores. São Paulo: Rocca; 2002. p. 286-319.

Dejours C. A Sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Rev port psicanál 2013; 33(2): 9-28.

Coury HJCG, Sato TO. Protocolos e racional para avaliação de riscos relacionados à ocorrência de lesões musculoesqueléticas no trabalho. São Carlos: EdUFSCar; 2010.

Karasek RA. Job demands, job decision, and mental strain: implications for job redesign. Adm sci q 1979 June; 24: 285-308.

Siegel S, Castellan Junior NJ. Estatística não paramétrica para ciências do comportamento. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Gardner J. Self-renewal: the individual and the innovative society. New York: Perennial Library; 1963.

Freire P. Educação e mudança. 34ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2011.

Vygotsky LS. A formação social da mente. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1991.

Schuman H, Kalton G. survey methods. In: Lindzey G, Aronson E (Org.). Handbook of social psychology. 3rd ed. New York: Random House; 1985. v. 1. p. 635-7.

Günther H. Como elaborar um relato de pesquisa. Brasília: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental; 2004. (Série Planejamento de Pesquisas nas Ciências Sociais, n. 2).

Günther H. Como elaborar um questionário. Brasília: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental; 2003. (Série Planejamento de Pesquisas nas Ciências Sociais) n. 1.

Malhotra NK. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2012.

Dillman DA. Mail and internet surveys: the tailored design method. 2ª ed. New York: John Wiley & Sons; 2000.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.