Educação em saúde como estratégia de intervenção em uma universidade aberta a terceira idade

Juliane Cristine Dias, Aline Cristina Martins Gratão, Diana Quirino Monteiro

Resumo


Introdução: Dentre as intervenções, na área da Gerontologia, para a população, a Educação em Saúde (ES) pode ser importante escolha para atividades de promoção da saúde na velhice. O convívio com as diversidades deve acarretar em maior número de concepções o que é relevante para a identificação de problemas prioritários subjetivos, e sua auto percepção de saúde e envelhecimento. Objetivos: verificar a aplicabilidade da Educação em Saúde (palestras e orientações acerca de dúvidas elencadas pelo grupo) em indivíduos senescentes. Método: Pesquisa descritiva com abordagem qualitativa para verificação do efeito de um grupo de Educação em Saúde (ES) em senescentes participantes de uma Universidade Aberta a Terceira Idade. Para análise dos dados utilizou-se o método de Análise Temática, buscando compreender a fala dos participantes no momento dos encontros grupais de ES. Resultados: Os participantes possuíam uma média de 67,2 anos de idade, maioria do sexo feminino (84,2, casados (63,2%), 8,1 anos de escolaridade e maioria de aposentados (78,9%). Notou-se melhora no estilo de vida dos participantes, no geral, com destaque para diminuição de tabagistas, maus hábitos alimentares (doces, embutidos e refrigerante) e maior adesão para atividade física, comparando o antes da intervenção com o depois. A partir dos encontros semanais, foram identificadas as categorias temáticas que foram agrupadas e analisadas associando as falas dos participantes. Dessa forma, foram elencadas três grandes temáticas a saber “Ciência Gerontologia”, “Envelhecimento Fisiológico”, Promoção da saúde na velhice”. Conclusão: Os resultados desta pesquisa sugerem que a implementação de grupo de Educação em Saúde, como a apresentada neste artigo, tem resultados benéficos para mudança de hábitos de vida saudáveis além de contribuir para o conhecimento dos participantes.

Abstract: Introduction: Among the interventions in the field of Gerontology, for the population, Health Education (HE) may be important choice for health promotion activities in old age. Becoming acquainted with diversity should lead to a greater number of ideas that is relevant to the identification of priority issues subjective, and your self perception of health and aging. Objectives: To verify the applicability of the health education (lectures and guidance on questions listed by the group) in senescent individuals. Method: a descriptive study with qualitative approach for checking the effect of a group of HE in senescent participants in an Open University to the Elderly. Data analysis used the thematic analysis method, trying to understand the speech of participants at the time of group meetings of HE. Results: The participants had an average of 67.2 years of age, mostly female (84.2%), married (63.2%), 8.1 years of schooling and most retired (78.9%) was noted. The results showed the improvement in the lifestyle of the participants, in general, with emphasis on reduction of smoking, poor eating habits (sweets, sausages and soft drink) and greater adherence to physical activity, comparing before the intervention to the next. From the meetings . weekly, the themes were identified, grouped and analyzed associating by the participants. Thus, three major issues were listed namely "Science Gerontology", "Aging Physiological" Health promotion in old age ". Conclusion: The results of this research suggests that the implementation of Health Education Group, as presented in this article, has beneficial results for change in healthy lifestyles and contribute to the knowledge of the participants.

Keywords: Health Education; Gerontology; Health Promotion;


Palavras-chave


Educação em Saúde; Gerontologia; Promoção de Saúde;

Texto completo:

PDF/A

Referências


IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística A dinâmica demográfica brasileira e os impactos nas políticas públicas. Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil. 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Primeiros resultados definitivos do Censo 2010.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública 200; 43(3): 548-54.

Leite MT, et. al. Doenças crônicas não transmissíveis em idosos: saberes e ações de agentes comunitários de saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental 2015; 7(2): 2263-2276.

Silva LS, Cotta MM, Rosa COB. Estratégias de promoção da saúde e prevenção primária para o enfrentamento das doenças crônicas: revisão sistemática Rev Panam Salud Publica 2013; 34(5): 343–50.

Machado MFAS, et al. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS – uma revisão conceitual. Ciência & Saúde Coletiva 2007; 12(2): 335-3342.

Schall VT, Struchiner M. Educação em saúde: novas perspectivas. Cad Saúde Pública 1999; 15 (Suppl 2): S4-S6.

Junior JEM, et al. Educação em Saúde como Estratégia para Melhoria da Qualidade de Vida dos Usuários Hipertensos. Rev Rene 2011; 12(n. esp.): 1045-51.

Gazzinelli MF, Gazzinelli A, Reis DC, Penna CMM. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cad Saúde Pública 2005; 21(1): 200-206.

Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 32ª ed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Carvalho NC. Dinâmicas para idosos: 125 jogos e brincadeiras adaptados. 7. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2014.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta; 2004.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Hucitec - Abrasco; 2000.

Pavarini SCI, et al. A arte de cuidar do idoso: gerontologia como profissão? Texto Contexto - enferm, Florianópolis, 2005; 14(3): 398-402.

Yassuda MS. Memória e envelhecimento saudável. In: Freitas L, et al. Tratao de geriatria e gerontologia. Guanabara Koogan 2006.

Netto TM, et al. Efeito de um programa de treinamento de memória de trabalho em adultos idosos. Psicol Reflex Crit 2013; 26(1): 122-135.

Charchat-Fichman H, et al. Declínio da capacidade cognitiva durante o envelhecimento. Rev Bras Psiquiatr 2005; 27(1): 79-82.

Oliveira KL, et al. Relação entre ansiedade depressão e desesperança entre grupos de idosos. Psicologia em Estudo, 2006; 11(2): 351-359.

Cavalcante FG, Minayo MC, Mangas RMN. Diferentes faces da depressão no suicídio em idosos. Ciência & Saúde Coletiva, 2013; 18(10): 2985-2994.

Oriá RB, et al. Estudos das alterações relacionadas com a idade na pele humana, utilizando métodos de histo-morfometria e autofluorescência. An Bras Dermatol 2003; 78(4): 425-434.

Duarte I, Kobata C, Lazzarini R. Dermatite de contato em idosos. An Bras Dermatol 2007; 82(2): 135-140.

Silva JDT da, Muller MC, Bonamigo RR. Estratégias de coping e níveis de estresse em pacientes portadores de psoríase. An Bras Dermatol 2006; 81(2): 143-149.

Silva KS, Silva EAT da. Psoríase e sua relação com aspectos psicológicos, stress e eventos da vida. Estud psicol (Campinas) 2007; 24(2): 257-266.

Cardoso AF. Particularidades dos Idosos: uma revisão sobre a fisiologia do envelhecimento. EFDeportes.com, Revista Digital, Buenos Aires, 2009; 13(130).

Fechine BRA, Trompieri N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Rev Cient Internat, 2012; 1(7): 107-194.

Merlin AP, Kura GG, Bertolin TE. Alterações anatômicas no sistema musculoesquelético associadas ao envelhecimento. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, 2013; 18(179). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd179/alteracoes-anatomicas-no-envelhecimento.htm. Acesso em: 20 out. 2015.

Bandeira F, Carvalho EF de. Prevalência de osteoporose e fraturas vertebrais em mulheres na pós-menopausa atendidas em serviços de referência. Rev. bras. epidemiol. 2007; 10(1):86-98.

Lopes RF, Lopes MTF, Camara VD. Entendendo a solidão do idoso. RBCEH. 2009; 6(3): 373-381.

Ramos MP. Apoio social e saúde entre idosos. Sociologias, Porto Alegre, 2002; 4(7):156-175.

Irigay TQ, Schneider RH, Gomes I. Efeitos de um treino cognitivo na qualidade de vida e no bem-estar psicológico de idosos. Psicol Reflex Crit, Porto Alegre, 2011; 24(4): 810-818.

Carvalho FCR, Neri AL, Yassuda MS. Treino de memória episódica com ênfase em categorização para idosos sem demência e depressão. Psicol Reflex Crit, Porto Alegre, 2010; 23(2): 317-323.

Silva TBL da, et al. Treino cognitivo para idosos baseado em estratégias de categorização e cálculos semelhantes a tarefas do cotidiano. Rev bras geriatr gerontol 2011; 14(1): 65-74.

Yassuda MS, et al. Treino de memória no idoso saudável: Benefícios e mecanismos. Psicologia: Reflexão e Crítica 2006; 19(3): 470-481.

Menezes MFG, et al. Alimentação saudável na experiência de idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2010; 13(2):267-275.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros NTL. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Med Esporte 2001; 7(1): 2-13.

Hillman CH, Erickson KI, Kramer AF. Be smart, exercise your heart: exercise effects on brain and cognition. Nature Reviews Neuroscience 2008; 9: 58-65.

Corrêa LQ, Rombaldi AJ, Silva MC. Atividade física e sintomas do envelhecimento masculino em uma população do sul do Brasil. Rev Bras Med Esporte 2011;17(4):191-5.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.