Programa de prevenção ao uso de drogas nas escolas para o desenvolvimento de habilidades de vida

Girlane Mayara Peres, Tania Maria Grigolo, Daniela Ribeiro Schneider

Resumo


Uma das estratégias atuais na prevenção ao uso de drogas consiste no desenvolvimento de habilidades de vida, pois favorece o desenvolvimento de competências como o autoconhecimento, empatia, comunicação eficaz, relacionamentos interpessoais, tomada de decisões, resolução de problemas, pensamento criativo e crítico, lidar com sentimentos, emoções e estresse. O presente artigo objetiva apresentar a avaliação qualitativa da implantação do programa de prevenção ao uso de drogas #TamoJunto nas escolas de Florianópolis em sua intersetorialidade com a saúde. A pesquisa foi de caráter qualitativo, exploratório, descritivo e de campo, participaram 19 profissionais. O programa foi avaliado como positivo por todos os entrevistados gestores, coordenadores, multiplicadores, profissionais da saúde e educação e pais. Compreende-se que ele possibilitou o desenvolvimento de vínculos entre os profissionais da saúde e educação, pais e profissionais, alunos e profissionais, entre os próprios alunos e entre os pais e filhos. Em relação aos profissionais da saúde e educação, o programa contribuiu para o empoderamento, capacitação e fortalecimento da intersetorialidade entre a escola e Unidade Básica de Saúde.


Palavras-chave


Prevenção ao uso de Drogas; Promoção de Saúde; Habilidades de Vida.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação nacional de DST/AIDS. A política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuário de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2013.

Bhering, E., & Siraj-Blatchford, I. (1999). A relação escola-pais: um modelo de trocas e colaboração. Cadernos de Pesquisa, 106, 191-216.

Bronfenbrenner, U. (1996). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas.

Czeresnia, D. (2003). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia, D., Freitas, C. M. (Org.) (2003). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. (pp. 39-53). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

EU – Dap OED (2014). Unplugged. Turim. 2007. Recuperado em 30 de maio de 2013 de http://www.eudap.net/Unplugged_HomePage.aspx.

Faggiano, F., Galanti, M.R., Bohrn, K., Burkhart, G., Vigna-Taglianti, F., Cuomo, L. et al. (2008). The effectiveness of a school-based substance abuse prevention program: EU-Dap cluster randomised controlled trial. Prev Med., 47(5), 537-543.

Gomes, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. S. (Org.) (1994). Pesquisa Social: tória, método e criatividade. (pp. 67-80). Petrópolis: Vozes.

Horochovski, R. R., & Meirelles, G. Problematizando o conceito de empoderamento. (2007). In II Seminário Nacional movimentos sociais, participação e democracia. UFSC, Florianópolis. Recuperado em 30 de maio de 2014 de http://www.sociologia.ufsc.br/npms/rodrigo_horochovski_meirelles.pdf.

Junqueira, L., Inojosa, R. M., & Komatsu, S. (1997). Descentralização e intersetorialidade na gestão pública municipal no Brasil: a experiência de Fortaleza. In CLAD (org.) El tránsito de la cultura burocrática al modelo de la gerencia pública: perspectivas, posibilidades y limitaciones (pp. 63-124). Venezuela: Unesco/CLAD.

Leopardi, M. T. (2001). Metodologia na saúde ( 2a ed.) Florianópolis: UFSC/Pós-graduação em Enfermagem.

Lima, W. G. (2012). Política Pública: discussão de conceitos. Interface, 5(1), 49-54.

Minayo, M. C. S. (1999). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo (3a ed.). Porto Alegre: Sulina.

Nacional Institute on Drug Abuse – NIDA (2004). Cómo prevenir el uso de drogas em los niños y los adolescentes: uma guia con base científica para padres, educadores y líderes de la comunidad (2ª ed). Recuperado em 31 de outubro de 2015 do site https://www.drugabuse.gov/sites/default/files/redbook_spanish.pdf

Organização Panamericana de la Salud - OPAS (2001). Enfoque de habilidades para a vida para um de desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes. Washington: OPS.

Pechanskyl, F., Szoboti, C. M., Scivoletto, S. (2004). Uso de álcool entre adolescentes: conceitos, características epidemiológicas e fatores etiopatogênicos. Rev. Bras. Psiq., 26(1), 14-17.

World Health Organization – WHO (1997). Life skills education for children and adolescents in schools: Introduction and guidelines to facilitate the development and implementation of life skilles programmes. Geneva: WHO.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.