Sistemas agroflorestais multiestrata: um novo paradigma da relação agrícola

Mateus Santaella Vivaz Oliveira, Rodrigo Otávio Moretti-Pires

Resumo


Um nova técnica brasileira de produção de alimentos, os sistemas agroflorestias (SAFs) multiestrata, aliam alta produtividade com preservação ambiental e reflorestamento, sendo apontados na literatura como alternativa para favorecer agricultores familiares no contexto rural contemporâneo. Intrínseca à técnica há uma nova forma de relacionar-se com a natureza que embasa o trabalho dos agricultores e pode abrir horizontes para a discussão sobre a saúde. Além disso, se enquadra no âmbito da discussão agroecológica sobre acesso à mercados alimentares alternativos, que podem representar forças contra hegemônicas no processo de enfrentamento às lógicas de mercado da globalização. Assim, busca construir sentidos sobre o emprego dos SAFs multiestrata na sua relação com a saúde humana e as relações de mercado que exercem influência sobre a produção agrícola. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que parte do Construcionismo Social como postura epistemológica. Através do emprego da observação participante, acompanhou-se durante 45 dias as atividades de duas comunidades de agricultores que vem se destacando em nível nacional em termos de produtividade e reprodução social através dos SAFs multiestrata, totalizando 130 famílias famílias. A pesquisa de campo produziu um diário de campo que forneceu subsídios para o trabalho. Nas duas comunidades, os agricultores associam a prosperidade econômica e social à crença de que fazem um trabalho baseado em um paradigma ecológico que ata a saúde das populações humanas à saúde da natureza e do planeta, onde uma não pode existir sem a outra. É através da produção alimentar pautada nas dinâmicas naturais de sucessão ecológica que os agricultores garantem sua saúde e segurança alimentar, livre do uso de agroquímicos, baseado na diversidade de cultivo e autossubsistência. Os sentidos edificados à respeito da prática do SAFs podem apontar caminhos para discussões sobre desenvolvimento rural que relacionem a produção alimentar à visão ampla de ecologia e saúde, para sanar questões alimentares e sociais crescentes no planeta, como a crise alimentar, o aquecimento global e a poluição e escassez de água.

 

Abstract: A new Brazilian technique of food production, agroforestry systems (AFS) multiestrata, combine high productivity with environmental conservation and reforestation, and reported in the literature as an alternative to favor family farmers in the contemporary rural context. Intrinsic to the technique for a new way of relating to nature that supports the work of farmers and can open new horizons for the discussion on health. In addition, falls within the framework of the agro-ecological discussion on access to alternative food markets, which can represent forces against hegemonic in the coping process of globalization to market principles. Thus seeks to build senses on the employment of SAF multiestrata in relation to human health and market relationships that influence agricultural production. This is a qualitative research of the Social Constructivism as epistemological stance. Through the use of participant observation, it was accompanied for 45 days, the activities of two communities of farmers has been increasing at the national level in terms of productivity and social reproduction through the AFS multiestrata, totaling 130 families families. The field research produced a diary that provided subsidies for the job. In both communities, farmers associate economic and social prosperity to the belief that make a work based on an ecological paradigm that binds the health of human populations to the health of nature and the planet where one can’t exist without the other. It is through the food production guided the natural dynamics of ecological succession that farmers ensure their health and food safety, free from the use of agrochemicals, based on diversity of culture and autossubsistência. The senses edified regarding the SAF practice can point out ways for discussions on rural development that relate to food production to wide ecology vision and health, to remedy rising food and social issues on the planet, such as the food crisis, global warming and pollution and water scarcity.

Keywords: Agroforestry; Agroecology; Health Promotion.


Palavras-chave


Sistemas Agroflorestais; Agroecologia; Promoção de Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRASCO. Dôssie Abrasco: Um alerta sobre os impactos dos Agrotóxicos na Saúde. Rio de Janeiro, World Nutrition; 2012 ALTIERI, M. A. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1989.

ARTICULAÇÃO NACIONAL DE AGROECOLOGIA (ANA). Carta política do ii Encontro nacional de agroecologia. Recife: ANA, 2006. Disponível em: .

AZEVEDO, E.; PELICIONI, M. C. F. Agroecologia e promoção da saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica. vol.31, n.4, pp. 290-295. 2012.

CAJA-GIRON, Y.S.; SINCLAIR, F.L. Characterization of multistrata silvopastoral systems on seasonally dry pastures in the Caribbean Region of Colombia. Agroforestry Systems, 53: 215-225, 2001.

CARVAJAL, J. J. M. La Agroecología: Un Marco de Referencia para Entender sus Procesos en la Investigación y la Praxis. Luna Azul, Manizales, n. 32, Jun, 2011.

GÖTSCH, E. Break-through in agriculture. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1995.

GRANADOS, L.A.C. Viabilidad financiera de sistemas agrosilvopastoriles multiestrata y agroflorestales, en fincas ganaderas convencionales del Departamento de Santander, Colombia. Turrialba, Costa Rica, Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza (CATIE), 2005. 146 f. (Dissertação de Mestrado).

HOLGUIN, V.A.; IBRAHIM, M.; MORA-DELGADO, J. El aprendizaje participativo como base de un cambio positivo del uso del suelo en fincas ganaderas de Costa Rica. Livestock Research for Rural Development, v.19, n.4, abr 2007. Disponível em: .

Khatounian CA. A reconstrução ecológica da agricultura. Botucatu: Agroecológica; 2001

LEFF, E. agroecologia e saber ambiental. revista de agroecologia e Desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre, v.3, n.1, 2002.

LOWI, M. Ecologia e socialismo. São Paulo: Ed. Cortez, 2005.

MARTINS, J. S. O futuro da sociologia rural e sua contribuição para a qualidade de vida rural.In: Estudos avançados: Dossiê desenvolvimento rural, v.15, n.43, p. 31-36, 2001.

MEIRELLES, Laércio. Soberania Alimentar, agroecologia e mercados locais. In: revista agriculturas. Rio de Janeiro: AS-PTA, v.1, n.0, p. 11-14, set. de 2004.

NAVOLAR, T. S.; RIGON, S. A.; PHILIPPI. Diálogo entre agroecologia e promoção da saúde . Revista Brasileira em Promoção de Saúde. Fortaleza, 23(1): 69-79, jan./mar., 2009.

PEREZ-CASSARINO, Julian Perez. a Construção social de mecanismos alternativos de mercados no âmbito da rede Ecovida de agroecologia. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

PETERSEN, P.;TARDIN, J.M.; MAROCHI, F.M. Tradição (agri)cultural e inovação tecnológica: facetas complementares do desenvolvimento agrícola socialmente sustentado na região centro-sul do Paraná. Paraná, AS-PTA, 2002b.

PLOEG, Jan Douwe van der. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008. SANTOS, M. C.; PAIVA, S. N. Os Sistemas agroflorestais como alternativa econômica em pequenas propriedades rurais: estudo de caso. Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v. 1, n. 12, p. 135-141, 2002.

SCHMITT, Claudia; GUIMARÃES, Leonardo A. O mercado institucional como instrumento para o fortalecimento da agricultura familiar e base ecológica. In: revista agriculturas, Rio de Janeiro: AS-PTA, v.5, n.2, junho de 2008.

SCHMITT, Claudia; TYGEL, Daniel. Agroecologia e economia solidária: trajetórias, confluências e desafios. In: PETERSEN, Paulo (Org.). agricultura Familiar Camponesa na Construção do Futuro. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2009. SEVILLA GUZMAN, Eduardo; SOLER, Marta. Agroecología y soberanía alimentaria: alternativas a la globalización agroalimentaria. In: patrimonio cultural en la nueva ruralidad andaluza. PH Cuadernos. v.26. Sevilla: Consejería de Cultura/Junta de Andalucía, 2010.

SILVEIRA, N.D. Sostenibilidad socioeconómica y ecológica de sistemas agroflorestales de café (Coffea arabica) en la microcuenca del Río Sesesmiles, Copán, Honduras.Turrialba, Costa Rica, Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza (CATIE), 2005. 154 f. (Dissertação de Mestrado).

SOLER, Marta; CALLE, Angel C. Rearticulando desde la alimentación: canales cortos de comercialización em Andalucía. In: patrimonio cultural en la nueva ruralidad andaluza. PH Cuadernos. v.26. Sevilla: Consejería de Cultura/Junta de Andalucía, 2010.

STAVER, C.; GUHARAY, F.; MONTEROSSO, D.; MUSCHLER, R.G. Designing pest-supressive multiestrata perennial crop systems: shade-grown coffee in Central America. Agroforestry Systems, 53: 151-170, 2001.

STEENBOCK, W. et.al. Agrofloresta, ecologia e sociedade. Curitiba: Kairós, 2013.

Valente FLS. Direito Humano à Alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez; 2002.

WILKINSON, John. mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, 2008.




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.