Acolhimento em um serviço dependência química: com a palavra os usuários

Marcos Vinicius Ferreira dos Santos, Carolina Poltronieri de Souza, Rosa Helena Gomes da Silva, Marluce Miguel de Siqueira

Resumo


Este estudo avaliou o acolhimento em um serviço de dependência química. Para tanto realizou-se  um estudo de caso, com abordagem qualitativa, onde participaram dez usuários do programa que se encontravam internados em um serviço de Dependência Química. A técnica empregada para a coleta de dados foi o grupo focal. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo.

Ao analisar o acolhimento, nenhum sujeito mencionou sobre dificuldades de conseguir atendimento inicial. Contudo, a maioria pontuou que houve demora em conseguir internação no serviço. A facilidade pela marcação via telefone, a garantia da avaliação inicial ao chegar ao serviço, foram aspectos que garantiram acessibilidade. Em relação satisfação, a mesma foi relacionada às atividades terapêuticas, à equipe de profissionais, à convivência com os usuários do programa, à informação disponibilizada no tratamento.  Diante dos resultados detectados, nota-se que o acolhimento está presente no serviço analisado e é vislumbrado principalmente através da satisfação dos usuários com o trabalho dos profissionais no que diz respeito à postura, escuta e compromisso destes nas atividades terapêuticas oferecidas. 

 

Abstract: Objective: This study evaluated the user embracement of the users of addiction service. To do so we performed a case study with a qualitative approach, where ten users of the program who were hospitalized in a service attended Addiction. The technique used for data collection was the focus group. Data were analyzed using the content analysis. When analyzing the user embracement, no subject mentioned about difficulties of getting initial care. Howeve, the majority pointed out that there was delay in getting admission in the service. The ease by dialing telephone, ensuring the initial evaluation to arrive at the service were aspects that ensured accessibility. Regarding satisfaction: it was related to therapeutic activities, the professional team, the living with  the users of the program , the information provided in treatment. Given the results found, we note that the reception is on the analyzed service and is glimpsed mainly through user satisfaction with the work of professionals with regard to posture, listening and commitment in these therapeutic activities offered.

Keywords: User embracement, Mental health, Health Evaluating.


Palavras-chave


Abuso de Drogas; Avaliação em Saúde; Saúde Mental

Texto completo:

PDF/A

Referências


Oliveira GL, Caiaffa WT, Cherchiglia ML. Saúde mental e a continuidade do cuidado em centros de saúde de Belo Horizonte, MG. Rev Saúde Pública. 2008; 42(4): 707-16

Kantorski LP et al . Avaliação de quarta geração: contribuições metodológicas para avaliação de serviços de saúde mental. Interface (Botucatu), Botucatu. 2009 Dec; 13(31).

Szupszynski KPDR, Oliveira MS. O Modelo Transteórico no tratamento da dependência química. Psicol. teor. Prat. 2008; 10(1): 162-173.

Carvalho AL, Amarante P. Avaliação de qualidade de novos serviços de saúde mental: em busca de novos parâmetros. Ver Saúde Debate. 1996 Set; v.52: 74-82p.

Ministério da Justiça (Brasil), Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (SENAD). Tratamento da dependência de crack, álcool e outras drogas. Brasília: SENAD, 2012.

Wetzel C, Kantorski LP. Avaliação de serviços em saúde mental no contexto da Reforma Psiquiátrica. Texto Contexto Enferm. 2004; 13(4):593-598.

Grant BF, Dawson DA. Alcohol and drug use, abuse and dependence: classification, prevalence, and comorbidity. In: McCrady BS, Epstein EE. Addictions – a comprehensive guidebook. Oxford: Oxford University Press; 1999.

Marlatt A, Gordon J. Prevenção à recaída. Porto Alegre, Artes Médicas, 1993.

Pillon SC, Luis MAV. Modelos explicativos para o uso de álcool e drogas e a prática da enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2004; 12(4).

Gonçalves SSPM, Tavares CMM. Atuação do enfermeiro na atenção ao usuário de álcool e outras drogas nos serviços extra-hospitalares. Esc. Anna Nery. 2007 Dec; 11(4).

Machado LR. O acolhimento em um Programa de atendimento ao alcoolista [trabalho de conclusão de curso]. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, Curso de Enfermagem, Departamento de Enfermagem; 2006.

Ministério da Saúde (Brasil), Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Franco TB. Bueno WS. Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: Betim, Minas Gerais, Brasil. Caderno Saúde Pública. 1999; 2 (15).

Ramos DD, Lima MADS. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre. Cad. Saúde Pública. 2003; 19(1): 27-34p.

Morgan DL. Focus group as qualitative research. Newbury Park, Sage Publication, 1988.

Krueger RA. Focus group: a pratical guide for appliedresearch. Newbury Park, Sage Publications, 1988.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3 ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

Schmidt MB, Figueiredo AC. Acesso, acolhimento e acompanhamento: três desafios para o cotidiano da clínica em saúde mental. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund. 2009 Mar; 12(1): 130-140p.

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(2): 190-198p.

Giovanella L, Fleury S. Universalidade da Atenção à Saúde: acesso como categoria de análise. In: Eibenschutz C, organizadora. Política de Saúde: o público e o privado. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1995. p. 177-198.

Adami NP. Acesso aos serviços de dermatologia de um centro de saúde escola sob o modo de ver dos hansenianos. Revista Paulista de Enfermagem. 1993; v.12: 82-86p.

Organização Mundial de Saúde. Relatório Mundial da Saúde. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Lisboa: Divisão de Saúde Mental da OMS; 2001.

Merhy EE. Em busca do tempo: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde um desafio para o público. São Paulo: Editora Hucitec; 1997. p. 71-112.

Matumoto S. O acolhimento: um estudo sobre seus componentes e sua produção em uma unidade da rede básica de serviços de saúde [Dissertação de Mestrado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 1998.

Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) & Comissão Interamericana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD). El modelo ideal de atención – normas minimas. In: OPAS & CICAD. La dependencia de las drogas y su tratamiento – guia y criterios básicos para el deserollo de programas de avaluación de la calidad y normas para la atención de la dependencia de drogas. OPAS/CICAD; 2000.

Donabedian A. Aspects of medical care administration. Boston: Harvard University Press; 1973.

Sanchez RM, Ciconelli RM. Conceitos de acesso à saúde. Rev Panam Salud Publica. 2012; 31(3): 260-8p.

Edwards G, Marshall EJ, Cook CCH. Ambientes de tratamento, papéis profissionais e organização de serviços de tratamento. In: Edwards G, Marshall EJ, Cook CCH. O tratamento do alcoolismo. Porto Alegre: ARTMED; 1999.

Ribeiro M. Organização de serviços para o tratamento da dependência do álcool. Rev. Bras. Psiquiatr. 2004 Mai; 26(1).

Queiroz MVO, Ribeiro EMV, Pennafort VPS. Assistência ao adolescente em um serviço terciário: acesso, acolhimento e satisfação na produção do cuidado. Rev Texto Contexto Enferm. 2010; 19(2): 291-299p.

Alves CT. Satisfação do consumidor. Lisboa (Portugal): Escolar; 2003.

Silva LG, Alves MS. O acolhimento como ferramenta de praticas inclusivas de saúde. Revista APS. 2008 Jan/Mar; 11(1): 74-84p.

Silva MA, Bandeira M, Scalon JD, Quaglia MAC. Satisfação dos pacientes com os serviços de saúde mental: a percepção de mudanças como preditora. J. bras. psiquiatr. 2012; 61(2).

Campos GWS. Considerações sobre a arte e a ciência da mudança: revolução das coisas e reforma das pessoas. O caso da saúde. In: Cecilio LCO, organizador. Inventando a mudança na saúde. 2ª ed. São Paulo: Editora Hucitec; 1997.

Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc. saúde coletiva. 2009 Out;. 14(1).




Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.