Atrás da cortina de fumaça: jovens da periferia e a temática das drogas

Paulo Estevão Pereira, Ana Paula Serrata Malfitano

Resumo


O fenômeno das drogas adquiriu proporções globais nas últimas décadas, atingindo todas as camadas sociais. A associação entre jovens, especialmente pobres, e o uso de drogas, presente na mídia e nas políticas públicas, tem suscitado discussões e intervenções que precisam ser analisadas e problematizadas, as quais, não considerando a situação socioeconômica e cultural daqueles jovens, têm acumulado resultados pouco efetivos, do ponto de vista público. Esse dado suscita a necessidade de inverter a ordem da pergunta e, antes de se buscar qual a melhor forma de tratar jovens em uso de drogas, iniciar pela compreensão dos contextos e arranjos sociais que permitem que estejam expostos às drogas e como tal exposição se dá no seu cotidiano. Este artigo baseia-se em uma pesquisa com jovens da periferia de uma cidade de médio porte do interior paulista e discute, a partir do discurso dos jovens, a relativização do papel das drogas como fonte primária de suas vulnerabilidades. Utilizou-se como método a observação participante, em um equipamento público local, além de entrevistas e grupos de atividades com os jovens. O discurso dos jovens desvela questões como violação de direitos, restrições à mobilidade urbana, violência real ou simbólica a que estão sujeitos, bem como a precariedade das relações de trabalho; fatores que se traduzem em uma vulnerabilidade maior que aquela advinda da temática das drogas.

Palavras-chave


Adolescente; Drogas Ilícitas; Vulnerabilidade Social; Condições Sociais

Texto completo:

PDF/A


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.