Os trabalhadores de saúde diante do nervosismo: uma perspectiva a partir da etnografia institucional.

luciana fernandes de medeiros azevedo

Resumo


O objetivo é analisar as concepções dos trabalhadores de saúde acerca de queixas como nervos e identificar suas práticas de cuidado. Foram realizadas entrevistas com 06 trabalhadores de saúde da Estratégia Saúde da Família em Natal/RN e um grupo focal com 04 agentes comunitários. A análise do material está fundamentada na perspectiva da Etnografia Institucional. Os participantes compreendem nervos como um sofrimento relacionado às condições de vida. Nem sempre conseguem proporcionar intervenções em função das condições de trabalho e da formação técnica. Alguns buscam conversar com os usuários e aconselhá-los, mas não conseguem fazer uso da intersetorialidade. Intervenções também podem ser desenvolvidas por psicólogos que quando possuem uma visão crítica da saúde, podem inovar com práticas de cuidado usuário-centradas e focadas nas necessidades da comunidade. Faz-se necessário fortalecer os dispositivos de cuidado como os Núcleos de Apoio à Saúde da Família, bem como a formação dos psicólogos.


Palavras-chave


nervosismo; profissionais de saúde; etnografia institucional; práticas de cuidado

Texto completo:

PDF/A


Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, ISSN 2178-7085, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.