UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL EM QUEVEDOS/RS

Natália Lampert Batista, Elsbeth Léia Spode Becker, Roberto Cassol

Resumo


O homem construiu sua história por meio do constante processo de ocupação e transformação do espaço natural. A Geografia possui como objeto de análise esta relação, sociedade-natureza, e, neste contexto, a temática ambiental é fortemente marcada no seu discurso. Os mapas revelam, então, uma complexa e valiosa linguagem para a compreensão do espaço geográfico. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo geral apresentar uma sequência didática para a sensibilização ambiental por meio de um recurso de ensino: o Hipermapa. Com base nos resultados da pesquisa, acredita-se que as práticas vinculadas ao entendimento ambiental local, como a construção de mapas mentais, a utilização de materiais de ensino voltados ao município (Hipermapa) e a reflexão sistematizada e escrita sobre a sua realidade ambiental contribuem para o entendimento do espaço geográfico de modo articulado, inter-relacional e sistêmico, permitindo um pensar mais reflexivo e despertando o sentimento de pertencimento e de identidade dos educandos. 


Palavras-chave


Cartografia Escolar. Educação Ambiental. Sequência didática.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AZZAR, E. F.; LOPES, J. G. Interatividade e tecnologia. In: ROJO, R. (Org.). Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola Editorial. 2013.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano – compaixão da terra. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. MEC/SEF; 1997.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. MEC/SEF; 2012.

CASTELLAR, S. M. V; MORAES, J. V. de. Ensino de Geografia. São Paulo: Thompson, 2010.

CIROLINI, A. A inclusão de tecnologias digitais nas escolas do meio rural de Restinga Sêca/RS: o altas geográficos eletrônico e escolar na perspectiva dos processos de ensino e aprendizagem. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Geôciencias, Programa de Pós-graduação em Geografia, Porto Alegre, RS: 2014.

DORST, J. Antes que a natureza morra. São Paulo: Edgar Blucher, 2008.

HASENACK, H; WEBER, E. (Org.) Base cartográfica vetorial contínua do Rio Grande do Sul - escala 1:50.000. Porto Alegre: UFRGS Centro de Ecologia. 2007. 1 DVD-ROM. (Série Geoprocessamento n.3). ISBN 978-85-63483-00-5 (livreto) e ISBN 978-85-63843-01-2 (DVD).

INSTITUTO BRSILEIRO DE GEOGRÁFIA E ESTATÍSTICA. Base de dados. 2010. Disponível em: , acesso em março de 2015.

KOZEL, S. Mapas mentais – uma forma de linguagem: perspectivas metodológicas. In: KOZEL, S; SILVA, J. C; GIL FILHO, S. F. Da percepção a Cognição a representação: reconstruções teóricas da Geografia Cultural e Humanística. São Paulo: Terceira Margem, 2007.

MORAES, A. C. R. Meio ambiente e ciências humanas. 2. ed. São Paulo: HUCITEC, 1997.

MORIN, E. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 2003.

NOVO, M. El Desarrollo Sostenible. Su dimensión ambiental y educativa. Madrid: MCGraw Hill, 2007.

OLIVEIRA, L. O estudo metodológico e cognitivo do mapa. In: ALMEIDA, R. D. de. Cartografia Escolar. São Paulo: Contexto, 2002.

TENDLER, S. Encontro com Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá. [Filme – vídeo]. Produção e direção Sílvio Tendler. Brasil, Calibran Produções, 2006. 1DVD, 89 minutos.

TUAN, Y. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 PESQUISAR – Revista de Estudos e Pesquisas em Ensino de Geografia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Pesquisar - Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2359-1870

v. 5, n. 8, nov. 2018.