O fluxo de comércio entre Santa Catarina e os países membros do mercosul: uma análise para o período de 1996 a 2009

Daiane Soffiatti Panigalli, Darlan Christiano Kroth

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o fluxo de comércio entre o Estado de Santa Catarina e os países membros do Mercosul para o período de 1996 a 2009. A análise é feita sob dois enfoques, sendo o primeiro uma avaliação dos dados estatísticos de exportação e importação do sistema Aliceweb do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC), através dos capítulos do Sistema de Designação e de Codificação de Mercadorias (Sistema Harmonizado) da Nomenclatura Comum do Sul (NCM), considerando os capítulos que responderam por uma participação média anual superior ou igual a 10%. O segundo enfoque da análise, partindo da mesma fonte de dados, efetuou o cálculo do Índice de Comércio Intra-Indústria (ICII), que mede a incidência de comércio intra-indústria a partir dos valores de importações e exportações de um setor específico de uma localidade para outra. Como resultados, observou-se em termos de fluxo de comércio que, os produtos pertencentes ao Capítulo 84 (reatores nucleares, caldeiras, máquinas) se destacaram pelo lado das exportações e os produtos ligados a agroindústria (cereais e carnes) lideraram as importações. No que tange o grau de comércio intra-indústria de Santa Catarina com o Mercosul, observa-se baixo nível de integração para as indústrias do setor de plástico e borracha (Capítulos 39 a 40); produtos do reino vegetal (Capítulos 6 a 14), papel (Capítulos 47 a 49), cerâmicas (Capítulos 68 a 70) e máquinas e equipamentos (Capítulos 84 a 89). Por outro lado, as indústrias dos produtos do reino animal (Capítulos 1 a 5) e metais e suas obras (Capítulos 72 a 83) apresentaram elevado grau de integração.


Palavras-chave


Comércio exterior; Mercosul; Comércio intra-indústria.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rev. NECAT, ISSN 2317-8523, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.