Criatividade e tipologias de Jung: perfis de gestores de uma empresa pública em Santa Catarina

Julieta Watanabe Wilbert, Elisa Conceição da Silva Rosa, Sandra Terezinha Resner Manhães, Ana Lúcia Paim Caon, Gilson Braviano, Gertrudes Aparecida Dandolini

Resumo


O artigo faz uma reflexão sobre perfis tipológicos junguianos com relação à criatividade encontrados em gestores intermediários de uma empresa pública brasileira, partindo-se de identificação dos perfis tipológicos do público-alvo, seguida de análise qualitativa dos dados à luz dos temperamentos de Kersey e dos tipos psicológicos de Jung. Os resultados mostram que dentre os respondentes predominam Guardiões e Racionais, o que sinaliza uma adequação de seus perfis ao ambiente de empresa pública. A pesquisa pode inspirar iniciativas visando ao delineamento de estratégias de promoção da criatividade em gestores, considerando as tipologias relacionadas a personalidades para ações de desenvolvimento de pessoas.


Palavras-chave


Criatividade; Inovação; Empreendedorismo.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALENCAR, Eunice. M. L. S. Criatividade. 2a. Ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995.

AMABILE, Teresa M. Como não matar a criatividade. HSM Management. São Paulo, a. 3, n. 12, p. 110-117, 1999.

AMABILE, Teresa M. The motivation for creativity in organizations. Harvard Business School, p. 1-14, 1996.

BENAZZI, M. C.; BONFATTI, P. F. Considerações acerca do uso da tipologia junguiana nas organizações e o processo de individuação. CES REVISTA, v. 28, n. 1, pp. 28-42, 2014.

FERNANDES, Ermelinda G.; FIALHO, Francisco A.P. Tipologias e arquétipos. A psicologia profunda como base para uma hermenêutica. Coleção Jung sai pra rua. Volume 1, Florianópolis: Insular, 2014.

FERNANDES, Ermelinda G.; FIALHO, Francisco A.P. Nós, os Guardiães. A psicologia profunda como base para uma hermenêutica. Coleção Jung sai pra rua. Volume 2, Florianópolis: Insular, 2015.

GIL, Antonio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed., São Paulo: Atlas, 1999

GINO, Francesca; ARIELY, Dan. The dark side of creativity: original thinkers can be more dishonest. Journal of Personality and Social Psychology, v.102, n.3, p. 445-459, 2012.

GOLEMAN, Daniel; KAUFMAN, Paul; RAY, Michael. O espírito criativo. 6a reimpressão. Editora Cultrix, 2013.

HANA, Urbancová. Competitive Advantage Achievement through Innovation and Knowledge. Journal of Competitiveness, v.5, n.1, p. 82-96, 2013.

HENESSEY, Beth A.; AMABILE, Teresa M. Creativity. Annual Review of Psychology, v.61, p. 569-569, 2010.

LUNENBURG, Fred C. Organizational Structure: Mintzberg’s Framework. International Journal of Scholarly, Academic, Intellectual Diversity, v.14, n.1, p. 1-8, 2012.

MANHAES, Mauricio, VANZIN, Tarcísio. Criatividade e Educação: a construção coletiva de significado, In: BATISTA, Cláudia R.; VANZIN, Tarcísio; ULBRICHT, Vania R., São Paulo. Pimenta Cultural, 2015.

MICHAELIDES, D. The art of innovation in the public sector. International Journal of Innovation Science, v.3, n. 3, pp. 117-125, 2011.

RAWAT, Khalid J.; QAZI, Wasim; HAMID, Shams. Creativity and education. Academic Research International, v.2, n.2, p. 264-275, 2010.

SCHEIN, Edgar H. Cultura organizacional e liderança. Trad. Brandão, A.B. Rev. Téc. Mariotti, H. São Paulo: Atlas, 2009.

WANG, Zhining; WANG, Nianxin. Knowledge sharing, innovation and firm performance. Expert Systems with Applications, n. 39, p. 8899–8908, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

indexadores