O Acompanhamento Terapêutico, o território e a amizade: caminhos entre as clínicas da desinstitucionalização

Rinaldo Conde Bueno, Izabel C Friche Passos

Resumo


 

 

Resumo: Este artigo aborda a relação do Acompanhamento Terapêutico (AT) no campo da saúde mental com os seus possíveis territórios e com a questão da amizade. É feita uma revisão da literatura sobre o AT e uma discussão a partir dos conceitos de territorialização/desterritorialização, para se concluir pela implicação do tema da amizade nesse modo de atuação dos profissionais da saúde mental. A conceituação da amizade indica caminhos de destaque para a atuação de profissionais da área que utilizam o AT como possibilidade de intervenção clínica no contexto da desinstitucionalização. É possível verificar a partir da prática de AT, e em concordância com alguns estudos, que o conceito atribuído à política da amizade está em fina sintonia com as novas formas de conduzirmos nossa lida com a loucura.

 


Palavras-chave


Acompanhamento Terapêutico; Política da Amizade; Desterritorialização; Desinstitucionalização.

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595-2420, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil. Todos os direitos reservados, 2018.