Política nacional sobre drogas e saúde mental: percepções dos gestores e os desafios intersetoriais no arranjo politico

Maria Milaneide de Souza, Rafael Nicolau Carvalho, Leandro Roque da Silva, Jossana Rafaela dos Santos, Elisangela Braga de Azevedo, Patricia Barreto Cavalcanti

Resumo


O debate em torno da Intersetorialidade vem se processando no âmbito das políticas públicas, visando à construção de ações e serviços mais integrados, que superem a ineficiência da fragmentação do setor público. No campo específico da Saúde Mental, esse debate surge com o Movimento da Reforma Psiquiátrica que se estende também à Política Integral de cuidados as pessoas que fazem uso prejudicial de álcool, crack, e outras drogas, por considerar os múltiplos determinantes do uso prejudicial dessas substancias, e a necessidade de inclusão social das pessoas que as usam abusivamente. O objetivo do trabalho foi analisar a construção da estratégia da Intersetorialidade na atenção às pessoas que fazem uso problemático de álcool, crack e outras drogas, a partir da percepção dos gestores da Rede de Atenção Psicossocial do município de Cabedelo-PB/Brasil. O percurso metodológico privilegiou a abordagem qualitativa, recorreu-se a entrevista semiestruturada e a observação participante. Teve como cenário a gestão dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS I e CAPS AD); Gerencia da Atenção Básica e a Secretaria de Saúde. A amostra foi composta por 06 gestores dos referidos serviços. Para analise das falas foi utilizada a técnica de analise de conteúdo. Constata-se que o debate sobre Intersetorialidade está presente nas discussões politicas dos gestores dos serviços de saúde mental, porém é atribuída a responsabilidade aos profissionais do serviço, evidenciado como estratégia profissional. Todavia os arranjos intersetoriais são ressaltados no trato aos usuários de crack, álcool e outras drogas como de extrema relevância para atenção integral.


Palavras-chave


Intersetorialidade; Saúde Mental; Álcool e Drogas.

Texto completo:

PDF-A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, ISSN 2595-2420, Florianópolis - Santa Catarina, Brasil. Todos os direitos reservados, 2018.