Refletindo sobre “Notas sobre o Pós-Humanismo” de Francisco Rüdiger

Geovânia Nunes Carvalho, Henrique Nou Schneider

Resumo


No presente texto faz-se uma análise acerca do conceito de pós-humanismo apresentado por Francisco Rüdiger, à luz de outros filósofos como Heidegger e Nietzsche. Para Rüdiger e outros pensadores contemporâneos, esse outro homem nascido na tecnocultura, se assemelha a uma entidade cibernética, concebido e compreendido numa estrutura de código genético e recursos artificiais. As consequências imediatas desse modelo de humano forjado pelo fenômeno da tecnocultura, nos encaminham à constatação da redução do conceito filosófico de humanidade para o conceito de homem espécie, totalmente desprovido de análise metafísica. Embora a morte do homem não seja um dado, cabe ressaltar sua morte conceitual fundada em bases metafísicas, protagonizada pela comunidade científica especializada. Esta, além de sua habilidade técnica para manipular e desnaturalizar o homem, porque é seu objeto de experiência e meio para qualquer fim possível, se nutre de ingenuidade filosófica e desconhecimento da História. Responder “o que o homem é” traz a exigência de retomar a questão “o que é o homem?” considerando o desdobramento de respostas desde os antigos gregos e suas reverberações no presente. É um exercício do pensamento exclusivo da Filosofia, cujo sentimento diante da resposta para tal pergunta, é de indignação. Pois, a grandeza da questão é equivalente ao absurdo da tentativa de resposta.

Palavras-chave


Filosofia; Pós-Humanismo; Ser Humano; Sociedade

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Scholar Scholar Livre