ANÁLISE DAS MELHORIAS SUGERIDAS PELOS GRUPOS DE ESTUDOS E SUGESTÕES (GES) EM UMA EMPRESA DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS NO CICLO DE 2016/2017

Leopoldo Pedro Guimarães Filho, Mayara Carla Duarte, David Batista Gesuino, Vilson Menegon Bristot, Miguelangelo Gianezini

Resumo


Com o intuito de melhorar seus índices de produtividade, qualidade e reduzir custos, as empresas tem hoje, uma gama de ferramentas a seu dispor. Os grupos de melhorias, lançam mão destas ferramentas e utilizam de metodologia específicas para chegar suas metas de efetividade. A empresa de Revestimentos Cerâmicos, foco desta pesquisa, nomina seus grupos de melhoria de Grupo de Estudos e Sugestões (GES). Este artigo, tem o objetivo de analisar as melhorias que foram sugeridas e implantadas, durante onze meses, no ciclo de 2016/2017. Os resultados mostraram o número de ideias implantadas, classificação das ideias por área e o retorno que a empresa obteve em termos de redução de custo. A relevância do estudo se deve ao fato de evidenciar os benefícios que os GES agregam não somente para a empresa, mas também para os funcionários.

Palavras-chave


Gestão organizacional, Sistemas produtivos, Educação, Círculo de Controle da Qualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BEYER, M et al. The development of quality circles/peer review groups as a method of quality improvement in Europe. Family Practice, [s.l.], v. 20, n. 4, p.443-451, ago. 2003. Oxford University Press (OUP).

CAMPOS, Falconi Vicente. TQC: Controle da Qualidade Total (No estilo Japonês). 9. ed. Nova Lima: Falconi, 2014.

CARPINETTI, Luiz C. R.; MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick; GEROLAMO, Mateus Cecílio. Gestão da Qualidade ISO 9001:2008: Princípios e requisitos. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CHAVES, N. M. D. Soluções em equipe: como desenvolver equipes de melhoria contínua e obter resultados com base na filosofia dos círculos de controle da qualidade - CCQ. 4. ed. Belo Horizonte: EDG, 2000. 193 p.

DRUMOND, Regina Coeli Chassim. Nossa experiência como círculo de Controle da Qualidade: Aspectos humanos. Revista Administração de Empresas, Rio de Janeiro, p.64-66, mar. 1983.

FERRO, José Roberto; GRANDE, Márcia Mazzeo. Círculos de Controle da Qualidade (CCQs) no Brasil: Sobrevivendo ao "modismo". Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, p.78-88, dez. 1997.

FUKUI, R. et al ; Handbook of TQM and QCC – Volume I: What are TQM and QCC? - A Guide for Managers; Inter-American Development Bank, 2003;

História da Cerâmica. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2016.

IMAI, Masaaki. Kaizen, A estratégia para o sucesso competitivo. São Paulo: Imam, 1994. 236p.

Institucional. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2016.

ISHIKAWA, Kaoru. Controle da Qualidade Total: à maneira japonesa. Rio de Janeiro: Campus, 1993.

MARSHALL JUNIOR, Isnard et al. Gestão da qualidade e processos. Rio de Janeiro: Fgv, 2012.

MOINHOS, Cleverson; MATTIODA, Rosana Adami. Círculos de Controle de Qualidade (ccq) na indústria de autopeças. In: XXXI Encontro Nacional De Engenharia De Producao, 2011, Belo Horizonte.

PEREIRA, C. B. et al. Análise da Aplicação do Ciclo PDCA de Melhoria no Processo de Produção do Ferro Gusa de uma Usina Siderúrgica. In: XXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção; p.1-14; 2009.

TERZIOVSKI, Milé; SOHAL, Amrik S. The adoption of continuous improvement and innovation strategies in Australian manufacturing firms. Technovation, [s.l.], v. 20, n. 10, p.539-550, out. 2000. Elsevier BV.