IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA MÍNIMA QUANTIDADE DE LUBRIFICANTES EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR AUTOMOTIVO

Marcela Avelina Bataghin Costa, Edison Leonel Venanzi, Reinaldo Moreira de Souza, Franco da Silveira, Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti

Resumo


O cenário altamente competitivo faz com que as empresas busquem por melhorias em seus produtos, serviços e processos produtivos, a fim de entregar aos clientes produtos e preços que atendam às necessidades dentro de suas expectativas. O objetivo da pesquisa consiste em apresentar uma alternativa de redução no uso da refrigeração convencional em processos de usinagem. O presente artigo apresenta um estudo comparativo entre a refrigeração convencional e o uso do sistema da Mínima Quantidade de Lubrificantes (MQL), suas vantagens, desvantagens e benefícios como forma de redução de custos, melhoria no acabamento de peças, aumento da vida útil de ferramentas, redução no custo, tempo, transporte e tratamento de cavacos. Para tanto foi realizado uma revisão bibliográfica, seguida de um estudo de caso em uma multinacional do setor automotivo localizada no interior do Estado de São Paulo – Brasil. A pesquisa permitiu observar que a implantação do MQL melhorou consideravelmente os resultados em auditoras Verband Der Automobilindustrie (VDA), em qualidade de peças, processos, logística e documentos além de minimizar impactos ambientais, garantindo assim, novos investimentos na unidade.

Palavras-chave


Eficiência; Custos; Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ATTANASIO, A. et al. Minimal quantity lubrication in turning: Effect on tool wear. Wear, v. 260, p. 333–338, 2006.

DINIZ, A. E.; MARCONDEZ, F. C.; COPPINI, N. L. Tecnologia da usinagem de materiais. 8ªed. São Paulo: Artliber, 2013.

DUREJA, J. S. Et al. Performance evaluation of coated carbide tool in machining of stainless steel (AISI 202) under minimum quantity lubrication (MQL). International Journal of Precision Engineering and Manufacturing-Green Technology, v. 2, n. 2, p. 123–129, 2015.

FYSIKOPOULOS, A. et al. On a generalized approach to manufacturing energy efficiency. The International Journal of Advanced Manufacturing Technology, v. 73, n. 9-12, p. 1437–1452, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa, 5 ed. São Paulo: Atlas, 2012.

HEISEL, U. et al. A tecnologia da quantidade mínima de fluido e sua aplicação nos processos de corte. Revista Máquinas e Metais, n. 386, p. 22-38, fev. 1998.

KIMINAMI, C. S.; CASTRO, W. B.; FALCÃO, M. O. Introdução dos processos de fabricação de produtos metálicos. São Paulo: Blucher, 2013.

KLOCKE, F., SCHULZ, A., GERSCHWILER, K., REHSE, M., "Clean Manufacturing Technologies - The Competitive Edge of Tomorrow?", The International Journal of Manufacturing Science & Production, v. 1, n. 2, p. 77-86, 1998.

KLOCKE, F., EISENBLÄTTER, G. Clean manufacturing technologies – The competitive edge of tomorrow. The International Journal of Manufacturing Science & Production, v. 1, n. 2, p. 77-86, 1997.

KLOCKE, F. Applications of minimal quantity lubrification (MQL) in cutting and grinding. Institute of Machine Tools and Production Engineering, University of Technology, 2000.

KLOCKE, F.; EISENBLÄTTER, G. Dry cutting. Annals of the CIRP - Manufacturing technology, v. 46, n.2, p. 519-526, 1997.

LEPPERT, T.; PENG, R. L. Residual stresses in surface layer after dry and MQL turning of AISI 316L steel. Production Engineering, v. 6, n. 4–5, p. 367–374, 2012.

MACHADO, A. R. et al. Teoria da usinagem de materiais. 1ªed. São Paulo: Blucher, 2009.

RAEL, V. A.; DINIZ, A. E. Utilização do corte a seco, da mínima quantidade de fluido e do fluido em abundância no fresamento de matriz endurecida usando "high speed machining, In: CONGRESSO USINAGEM 2004, São Paulo. Anais... São Paulo: Aranda Eventos, 2004.

SCHMIDT, C. et al. A methodology for customized prediction of energy consumption in manufacturing industries. International Journal of Precision Engineering and Manufacturing -Green Technology, v. 2, n. 2, p. 163–172, 2015.

SHARMA, A. M. et al. Effects of Minimum Quantity Lubrication (MQL) in machining processes using conventional and nanofluid based cutting fluids: A comprehensive review. Journal of Cleaner Production, v. 127, p. 1-18, 2016.

SILVA, E. C. Implantação de um programa “5s”. In: XXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 21 a 24 de outubro de 2003, Ouro Preto – MG, Anais... Ouro Preto, ABEPRO, ENEGEP, 2003, p.1-8.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4 ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SIN PAR GROUP. Tecnologia MQL para usinagem à seco. Disponível em:. Acesso em: 01 maio 2015.

ZEILMANN, R. P. Tendência aponta para a usinagem a seco. NEI, 2008. Disponível em:. Acesso em: 18 maio 2017.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookmam, 2001.

YOUNG P.; BYRNE G.; COTTERE M. Manufacturing and the Environment. International Journal of Advanced Manufacturing Technology, v. 13, n. 7, p. 488-493, 1997.

WEBSTER, J. et al. Assessment of grinding fluid effectiveness in continuous-dress creep feed grinding. Annal of the CIRP, v. 5, p. 235-240, 2002.