A ESTRATÉGIA DA INOVAÇÃO, A CHAVE PARA O DESENVOLVIMENTO: UMA COMPARAÇÃO ENTRE A REALIDADE BRASILEIRA E AMERICANA

João Pedro Rosa, Silvio Soares da Rosa, Pedro Domingos Antoniolli

Resumo


A capacidade de inovar é considerada determinante para a competitividade nacional e de suas organizações. Dessa maneira, faz-se necessário discutir, observar, e analisar o papel do investimento da inovação para com o desenvolvimento econômico e social. Neste sentido, este trabalho busca discutir questões como os conceitos essenciais da inovação, políticas de investimentos, estratégias competitivas, o modelo Hélice Tríplice, sua aplicação no setor econômico atual e seus efeitos no comercio exterior. Também se torna importante a comparação entre economias que possuem diretrizes inovadoras com altos investimentos para políticas de inovação e, economias que ainda estão em desenvolvimento e buscam compreender como podem seguir o caminho para desenvolver uma sociedade voltada ao conhecimento a fim de obter maior complexidade econômica e consequentemente maior vantagem competitiva no mercado internacional e agregação de valor nos produtos nacionais.


Palavras-chave


Desenvolvimento Econômico; Complexidade Econômica; Estratégia; Inovação; Hélice Tríplice; Comércio Exterior

Texto completo:

PDF

Referências


AEKER, A. D. Administração estratégica de mercado. 5. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ALVAREZ, R.; SALERNO, M. Diálogo de competitividade – Desempenho e Complexidade da Economia Brasileira (2014).

ALBUQUERQUE, E.M. Sistema Nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e a tecnologia. Revista da Economia Política, vol. 16, nº. 3 (63), julho-setembro/1996.

ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2003.ANSOFF, H. Igor. Corporate Strategy. New York: McGraw-Hill, 1965.

ANSOFF, H. I. Corporate strategy. Harmondsworth: Penguin, 1965

ARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management. v. 7, n.1, p. 99-120, 1991.

BANCO MUNDIA (2012). Retirado de http://web.worldbank.org.

BATEMAN, T. S.; SNELL, S. A. Administração: Construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, 1998.

BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2012

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

COUTINHO, L; FERRAZ, J.C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus, 1994.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Conhecimento e Inovação para a Competitividade, escrito por Alberto Rodriguez, Carl Dahlman e Jamil Salmi, Brasília, 2008.

DAHLMAN, C.; ROUTTI, J.; YLÄ-ANTTILA, P. Finland as a knowledge economy: elements of success and lessons learned: overview. Washington D.C, 2005.

DIAS, A.T. GONÇALVES, C. A. COLETA, K. A. P. G. Determinantes Estratégicos do Desempenho de Empresas em Ambientes Turbulentos, 2012.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L, (1995). The Triple Helix-University-Industry-Government relations: a laboratory for knowledge-based economic development.

ETZKOWITZ, H., & LEYDESDORFF, L. (1997). Universities and the Global Knowledge Economy: A Triple Helix of University-Industry-Government Relations. London: Pinter.

ETZKOWITZ, H., & LEYDESDORFF, L. (1998). The Endless Transition: A "Triple Helix" of University-Industry-Government Relations, Introduction to a Theme Issue.

ETZKOWITZ, H., & LEYDESDORFF, L. (2000). The Dynamics of Innovation: From National Systems and 'Mode 2' to a Triple Helix of University-Industry-Government Relations.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. (2001). The transformation of university-industry-government relations, Electronic Journal of Sociology.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: universidade, indústria e governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

FREEMAN, C. The National System of Innovation in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, 1995.

FREEMAN, C; PEREZ, C. Structural crisis of adjustment: business cycles and investment behaviour. In: DOSI, G. et al. Technical change and economic theory. London: Pinter Publishers, 1998.

FREITAS FILHO, F. L. Gestão da Inovação: teoria e prática para implantação. São Paulo: Atlas, 2013.

HAUSMANN, R. et al. The Atlas of Economic Complexity. Cambridge MA: Puritan Press, 2013.

HAMEL, G. The Future of Management. Boston: Harvard Business School Publishing, 2007.

HOFER, Charles W. & SCHENDEL, Dan. Strategy Formulation: Analytical Concepts. St. Paul, Minnesota: West Publishing Co., 1978.

IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica – Pintec 2005. Rio de Janeiro, 2000.

IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa Industrial – Inovação Tecnológica (2000).

IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica – Pintec 2005. Rio de Janeiro, pp 25, 2007.

IPEA. Brasil: o Estado de uma Nação. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2005

LEFEBVRE, E.; LEFEBVRE, L. A. Innovative capabilities as determinants of export performance and behaviour: A longitudinal study of manufacturing SME´s, 2001.

LUNDVALL, B.A. Innovation growth and social cohesion: the danish model. Chetenham, UK: Edward Elgar, 2001.

NUNES FILHO, P. S. Vantagem competitiva: precedentes teóricos da análise do diamante nacional de Porter. 2006. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Escola de Administração, Salvador, 2006.

OCDE. Manual de Oslo. 3ª ed. FINEP/OECD, 2005

PINTEC, Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. Disponível em: Acesso em: 01 de abril 2016.

PORTER, Michael E.. Competitive advantage. New York: Free Press. (Disponível na biblioteca da FEA/USP), 1985

PORTER, Michael (ed.). A busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York: FreePress, 2003. Georgetown University Press; The World Bank, 2005.

PORTER, M. E. A Vantagem Competitiva das Nações. Tradução por Waltensir Dutra. - Rio de Janeiro: Campus. 2003.

PRIETO, V. C.; CARVALHO, M. M.; FISCHMANN, A. A. Análise Comparativa de Modelos de Alinhamento Estratégico. Produção, v.19, n.2, Maio/Ago. 2009, pp.317-331, 2009.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

Schumpeter, J.A. (1934), the Theory of Economic Development, Cambridge, MA, US: Harvard University Press.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

SOUTH, S. E. Competitive advantage: the cornerstone of strategic thinking. The Journal of Business Strategy, v. 1, n. 4, 1981.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008

TIGRE, P. Gestão da Inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução a pesquisa em ciências sociais – a pesquisa qualitativa em educação. – São Paulo: Atlas, 1990

UTTERBACK, J. The dynamics of product and process innovation in industry. In: HILL, C; UTTERBACK, J. Technological innovation for a dynamic economy. New York, Pergamon Press, 1983.