VISÃO INSTITUCIONAL DA CRIAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO SETOR DE PRODUÇÃO DE PAPEL E CELULOSE

Silvio Paula Ribeiro, Clari Schuh, Viviane da Costa Freitag, Marco Aurélio Batista de Sousa, Nilton Cezar Carraro

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a participação de entidades e empresas na constituição de empresas de serviços na área de produção de papel e celulose. No que concerne ao aspecto metodológico, esta pesquisa se apresenta como qualitativa e descritiva e, como métodos de procedimentos, utiliza a pesquisa bibliográfica do tipo survey e os dados quali-quanti obtidos por meio de questionário. Os resultados mostram a falta de prioridade, ao estágio inicial da empresa, por parte de quem deve apoiar a sua constituição. Revelaram também a existência de um enfoque na oferta por instituições formais, quando comparadas com as informais. Há uma preocupação dos entrevistados em informar a importância dos recursos no sucesso da empresa, o tempo que os empreendedores necessitam para criar uma empresa e as dificuldades que encontram durante este processo; E que existe relação entre tempo e dificuldade para estabelecer uma empresa; Observou-se a preocupação dos respondentes em informar sobre a organização, a importância dos laços sociais, o bom relacionamento com sócio, contabilidade, crédito, fornecedores e clientes para consolidação da empresa. Não existe prioridade por parte da maioria dos respondentes em relação ao fornecimento de informações direcionadas ao estágio (gênesis) da empresa.


Palavras-chave


Teoria Institucional; Criação de Empresas; Fortalecimento da Empresa; Estágio Embrionário

Texto completo:

PDF

Referências


ADIZES, I. A eterna juventude. Revista HSM Management. 4, 1997.

ALBUQUERQUE, A. F. Fatores de mortalidade de pequenas empresas: análise de empresas do setor varejista a partir do ciclo de vida organizacional. 2013, 339 f. Tese (Doutorado em Economia, Organizações e Gestão do Conhecimento) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013.

APONTE, M. Factores condicionantes de la criacion de la empresa em puerto rico um enfoque institucional. Departamento de Economía de la Empresa. Universidad Autónoma de Barcelona, 1992.

BORGES, C; LOUIS, F. J; GERMAIN, S. Criação de empresas: um processo mais rápido e fácil resulta em empresas de melhor desempenho? Revista de Ciências da Administração, v. 15, n. 35. p. 196-207, 2013.

CARRARO, N. C.; PARISI, C. Estudo sobre a utilização da informação gerencial nas decisões de posicionamento estratégico: uma pesquisa na indústria de calçados de Jaú - SP. In: XIV SIMPEP, 2007, BAURU. XIV SIMPEP, 2007.

CARRARO, N. C.; CAMPOS, F. C. de A utilização da estratégia de operações e os efeitos sobre a alavancagem operacional. AURCO. Congresso International de Costos. Punta de Leste. Uruguay, 2011.

CASERO, J. C. D. La Creación de Empresas em Extremadura. Um Análisis Institucional. Universidade de Extremadura. Departamento de Economia Financiera Y Contabilidade. p. 343. 2003. Disponível em:. Acesso em 23 de março de 2015.

CHEVERS, D. A. Key factors of process maturity in English-speakinh Caribbean firms. RAE-Revista de Administração de Empresa, v. 54, n. 3, maio-junho, 2014.

CHURCHILL, N.; LEWIS, V. The Five Stages of Small Business. Growth. Harward Business Review. 61 (3), 30-50, 1983.

COMMONS, J. R. Institutional Economics. American Economic Review, vol. 21, p. 648-657,1937.

COOPER, A. C. The role of incubator organizations in the founding of growth oriented firms. Journal of Business Venturing, 1(1). pp. 75-86, 1985.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Sage, 2010.

DOMINGUEZ, F. J. G. Incidencia del Marco Institucional en la Capacidad Emprendedora de los Jóvenes empresarios de Andalucía. Departamento de Administración de Empresas Y Comercialización e Investigación de Mercados (Marketing) Universidade de Sevilla, Sevilla, 2004.

FERRO, J. R; TORKOMIAN, A. L. V. A criação de pequenas empresas de alta tecnologia. RAE - Revista de Administração de Empresas, 28(2)43-50, 1988.

FERREIRA, L. F. F; OLIVA, F. L; OLIVA, S, S. A; HILDEBRAND, C. C; LIMA, A. C. Análise quantitativa sobre a mortalidade precoce de micro e pequenas empresas da cidade de São Paulo. Gestão & produção, São Carlos, v. 19, n. 4, p. 811-823, 2012.

FILION, L. J. Diferenças entre sistemas gerenciais de empreendedores e operadores de pequenos negócios. RAE - Revista de Administração de Empresas, Out./Dez. 1999. vol. 39, n. 4.

GAITHER, N; FRAZIER, G. Greg. Administração da produção e operações. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 2001.

GALBRAITH, J. Stages of Growth. Journal of Business Strategy, 3 (1), p. 70-79., 1982.

GRAPEGGIA, M; LEZANA, A. G. R; ORTIGARA, A. A; SANTOS, P. C. F. dos; Fatores condicionantes de sucesso e/ou mortalidade de micro e pequenas empresas de Santa Catarina. Produção, v. 21, n. 3, p. 444-455, 2011.

GUPTA, P. D; GUNHA, S; KRISHNASWAMI, S. Firm growth and its determinants. Journal of Innovation and Entrepreneurship. p. 2-14, 2013. Disponível em: < http://www.innovation-entrepreneurship.com/content/2/1/15>. Acesso em 10 de dezembro de 2015.

HELFAT, C. E., PETERAF, M. A. The dynamic resource-based view: capability lifecycles. Strategic Management Journal, v. 34, n. 3, p. 997-1010, 2003.

LESTER, D; PARNELL, J; CARRAHER, S. Organizational life cycle: a five-stage empirical scale. The International Journal of Organizational Analysis, v. 11, n. 4. p. 339-354, 2003.

MACHADO, H. V; ST-CYR, L; MIONE, A; ALVES, M. C. M; O processo de criação de empresas por mulheres. RAE-eletrônica, v. 2, n. 2., 2003.

MASSIANI, S. A, BARAKAT, S. R, GOUVÊA, M. A, POLO, E. F. Empreendedorismo e competitividade global: uma análise multivariada de dados. Revista de Gestão Unichapecó. RGO Revista Gestão Organizacional. v. 5, n. 2. p. 259-271, 2012.

MACHEK, M. MACHEK, O. A Model of Small Business Growth. International Journal of Economics ans Statisticas, 2013.

MIRANDA, L. C.; CARVALHO, I. R.; LIBONATI, J. J; CAVALCANTI, P. R. N. (2013) Práticas de contabilidade gerencial: evidências em consultorias oferecidas por revistas especializadas aos empresários das micro, pequenas e médias empresas. Revista de Contabilidade e Controladoria. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 5, n.1, p. 139-157, 2013.

NASCIMENTO, S. P. do. Guerra fiscal: uma avaliação comparativa entre alguns estados participantes. Economia aplicada, v. 12, n. 4, p. 677-706, 2008.

NORTH, D. C. Institutions and Economic Growth: A Historical Instroduction. World Development. v. 17, Issue 9, 1989.

NORTH, D. C. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1990.

NORTH, D. C. Towards a Theory of Institutional Change. Quarterly Review of Economics and Business Performance Through Time. vol. 31, nº 4, 1991.

NORTH, D. C. Instituciones, Cambio Institucional y Desempeño Económico. Fondo de Cultura Económica. México, 1993.

OLIVEIRA, J; ESCRIVÃO FILHO, E. Ciclo de vida organizacional: descrição de três estágios de desenvolvimento das pequenas empresas em quatro especificidades. Economia Global e Gestão v.16 n.1 Lisboa abr. 2011.

SARMENTO, E. M.; NUNES, A. Criação de Empresas em Portugal e Espanha: análise Comparativa com base nos Dados do Banco Mundial. Universidade de Aveiro (Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial), 2011. Disponível em: . Acesso em 10 de janeiro de 2016.

SCHEUREN, B. F. What is a survey? Booklet, American Statistcal Association, 2004.

SCOTT, M.; BRUCE, M. Five Stages of Growth in Small Business. Long Range Planning, v. 20, n. 3, p. 45-52, 1987.

SUNDFELD, J. B. Desafios das médias e pequenas empresas, 2011. Disponível em: . Acesso em março de 2015.

URBANO, D. Factores condicionantres de la creación de empresas en Catalunya: un enfoque institucional. Departamento de Economía de la Empresa. Universidad Autónoma de Barcelona. 2003.

URBANO, D; SORIANO, D. R; THORNTON. Socio-cultural factors and entrepreneurial activity: An overview. International Small Business Journal 29(2) 105–118, 2011.

VECIANA, J. M; URBANO, D. Actitudes de los estudiantes universitários hacia la creación de empresas: um estúdio empírico comparativo entre catalunya y puerto rico. Universitat Autònoma de Barcelona. 2001.

VALE, G. M. V; GUIMARÃES, L. O. Redes sociais na criação e mortalidade de empresas. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 3. maio-junho, p. 325-337, 2010.

VALE, G. M. V. Empreendedorismo, marginalidade e estratificação social. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 3, maio-junho, p. 310-321, 2014 .

VECIANA, J .M. Empresario y Proceso de Creación de Empresas, Revista Económica de Catalunya. n. 8, 1998.

VIAPIANA, C. Fatores de sucesso e fracasso da micro e pequena empresa. In: Anais do II EGEPE, p. 505-525, Londrina, Paraná, Nov. 2001.

WHETTEN, D. A. O que Constitui uma Contribuição Teórica?. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, jul-set, p.69-73, 2003.

YIN, R. K. (2010) Estudo de caso. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.